5 Dicas Para Lidar com a Birra

Fonte: Google

Relatórios/Socioemocional
0 Comments

5 Dicas Para Lidar com a Birra

Objetivos

  • Compreender o comportamento de birra.
  • Orientar o professor de como lidar com o comportamento de birra em sala de aula.

Birra

O comportamento de birra, essa reação de choro, grito, que a criança faz quando não tem o que quer, tem um início muito cedo em sua vida e faz parte do seu desenvolvimento emocional, tendo um papel na formação de sua identidade e vontade própria.

Porém, para que a birra exerça a sua função no desenvolvimento dos pequenos de forma positiva, é necessário que ela receba o tratamento adequado. Como a criança de até 5 anos ainda não desenvolveu a capacidade de saber esperar e nem noção de tempo, ela enfrenta uma angústia muito grande quando não tem o que quer na hora que quer e isso acontece todas as vezes quando ela se depara com frustrações que podem ser decorrentes de sua limitação ou dos “nãos” dos  adultos.

Para lidar com a birra de forma a transformá-la num aprendizado, evitando que ela se torne uma reação costumeira e um futuro problema de comportamento difícil de se resolver, aqui vão algumas dicas essenciais.

# Dica 1: Mantenha a tranquilidade e o equilíbrio

Respire fundo e espere que a criança se acalme. Se for necessário, leve-a a um outro local explicando que vai fazer isso para que ela possa se acalmar. Caso a criança se debata ou tenha atitudes agressivas ou autolesivas, ajude-a a conter-se, pode pegá-la no colo e peça ,com calma, para ela se tranquilizar. Quando isso acontecer, elogie-a por ter conseguido e converse amigavelmente com ela, dizendo algo como:

“Que bom que você conseguiu se acalmar, agora podemos pensar melhor em como resolver essa situação”.

É importante que ela entenda que é amada, mas que esse comportamento não é aceitável. Se estiver difícil ela conseguir se acalmar, chame-a para auxiliá-lo em alguma outra atividade, assim você poderá fazer com que ela desvie a atenção da birra.

# Dica 2 : Dialogue

Depois que birra passar, você pode conversar com a criança, fazendo-lhe perguntas simples do tipo: “o que aconteceu?”, “por que você agiu assim?”. Escutando as respostas você irá entender se aquele comportamento e normal ou exagerado.

#Dica 3: Faça combinados

Faça combinados com a criança. Esta é uma boa estratégia para evitar que ela tenha este mesmo comportamento novamente. Por exemplo, se a criança fez birra porque não quer ajuda a guardar os brinquedos, você pode tentar negociar com ela da seguinte forma: “Tudo bem não guardar agora, mas que tal você guardar na hora de ir para o parquinho?”

É importante elucidar as consequências dos não cumprimento das regras e fornecer alguma recompensa se ela for cumprida (abraço, elogio, cartão com um desenho carinhoso feito por você, etc), caso contrário, o esforço não terá sentido para a criança.

# Dica 4: Explique

Quando a criança fizer algum tipo de birra inegociável, chame-a para uma conversa em que você explique que isso não é admitido e porquê, depois realize com ela a atividade do teatro das emoções.

# Dica 5: Elogie

Nunca esqueça de elogiar  a criança sempre que ela cumprir algum combinado ou seguir as regras!

Registre!

  • Você soube lidar com as crianças birrentas?
  • Quais foram os principais motivos das birras?
  • Quanto a entender a birra, funcionou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

 

 

 

Estratégias: Lidando com Comportamentos Difíceis

Fonte: Google

Socioemocional/Práticas inovadoras/Práticas inovadoras/Socioemocional
0 Comments

Estratégias: Lidando com Comportamentos Difíceis

Uma criança se comporta como se comporta porque aprendeu que, ao agir como age, consegue o que quer: a atenção [dos adultos].

(Chamati, A. 2014)

Objetivo:

  • Orientações ao professor de como lidar com comportamento difíceis em sala de aula.
  • Promover habilidades sociais.
  • Desenvolver habilidades e competências emocionais.

Ensinar habilidades sociais

Habilidades sociais são necessárias ao bom convívio com nossos pares. Podem ser introduzidas por meio da contação de história, apresentação de marionetes ou exibição de filmes/ desenhos, que tragam o tema emoções à tona.

Quando uma criança bater, morder, estapear ou esmurrar outra:

  • Reagir com calma, porém expressando a sua desaprovação.
  • Aproveitar para falar sobre como a criança se sentiu, reforçando as emoções e sentimentos: ” Eu sei que você ficou muito bravo com seu colega, mas bater não vai resolver o problema. Você tem que conversar!”
  • Ensinar como expressar a raiva e a frustração usando a fala ao invés da agressão. Por exemplo, ensinar um aluno que bateu no outro por ter sido chamado de gordo e falar: “Fulano, eu não gosto quando você me chama de gordo, isso me deixa muito triste.”
  • Entender o nível de maturidade das crianças e prever certas situações: As crianças entre 2 e 3 anos ainda não conseguem brincar em conjunto, preferem fazer brincadeiras paralelas, uma ao lado das outras, sem interagir diretamente. Quando procuram um colega, e na maioria das vezes, por interesse, desejo de possuir algum brinquedo que o outro tem e tentar tirá-lo. O resultado é, quase sempre, uma briga.
  • Não agrupe ou isole as crianças com problemas comportamentais. Se agrupadas com outras igualmente difíceis, seus problemas serão ampliados e poderão se tornar ainda mais incontroláveis e, se isoladas, seus problemas poderão se intensificar.

Reforce as interações positivas

Sempre que puder reforce as interações positivas que elas tiverem com seus pares, como por exemplo:

  • Brincar de maneira cooperativa, revezando turnos, compartilhando brinquedos, colaborando com brincadeiras de faz de conta e etc…
  • Dialogar respeitosamente, fazendo perguntas e respondendo a solicitações de esclarecimentos;
  • Convidar o coleguinha para brincar;
  • Identificar os próprios sentimentos e os dos outros;
  • Controlar a impulsividade ou as explosões de raiva quando excitadas ou transtornadas;
  • Lidar com frustrações do dia a dia;
  • Conseguir resolver os conflitos de uma maneira positiva.

Registre!

  •  As crianças conseguiram entender o combinado?
  • Quanto a seguir as regras, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: para Promover Competências Sociais e Emocionais

Fonte: 9monete

Relatórios/Socioemocional
0 Comments

Atividade: para Promover Competências Sociais e Emocionais

Objetivo

Desenvolver as habilidades sociais por meio de leitura, livros, jogos e tarefas. Medicação de comportamentos difíceis.

Habilidade a ser Estimulada

  • Habilidades sociais;
  • Competências emocionais;
  • Resolução de problemas e tomadas de decisões.

Material

Livros diversos que podem ser anotados:

Reizinho mandão, de Ruth Rocha.

Palavrinhas mágicas, da cantora Eliana.

Faixa Etária

a partir de 4 anos.

Descrição

A atividade começa com a leitura de história para as crianças. Após a leitura, forma-se uma roda de conversa, onde são trazidas algumas “situações problemas” do livro para serem discutidas em grupo. Depois se distribui uma placa de palavrinha mágica para cada aluno e, um por vez, deve falar, em que situação deve utilizar a palavrinha mágica que ele pegou. Para finalizar pode ser cantada a música palavrinha mágica.

Exemplos de placa:

Registre!

  •  As crianças conseguiram entender o conceito da palavrinha mágica?
  • Quanto a seguir as placas, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

7 Dicas para Manter a Saúde Física e Mental do Professor

Fonte: Lehramts

Rotina pedagógica/Socioemocional
0 Comments

7 Dicas para Manter a Saúde Física e Mental do Professor

O programa cuca legal tem sido desenvolvido por uma equipe de profissionais ligada a Universidade Federal de São Paulo. A proposta do programa é “sensibilizar para a relevância da Educação Emocional na vida do profissional da saúde e educação, trazer informações com base nas neurociências, nos mecanismos de integração entre cérebro, comportamento e emoções. São utilizadas, dentre outras coisas, as práticas e teorias da Roda de conversa e da Atenção plena.”. Vale a pena conferir!

Acesso o site: http://cucalegal.org.br/ para maiores informações.

#Dica 1

#Dica 2

#Dica 3

#Dica 4

#Dica 5

#Dica 6

#Dica 7

 

 

 

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: A arte do Toque
Atividades/Registros
0 Comments

Atividade: A arte do Toque

As crianças possuem uma natureza singular e genuína que as caracteriza como seres que sentem, pensam e experimentam o mundo de um jeito próprio. Vamos refletir um pouquinho sobre esse jeito de ver o mundo?

Hoje preparamos uma atividade que explora o tato.

Descrição da Atividade

Peça para as crianças se juntarem em duplas e fecharem os olhos ( como alternativa, pode-se vendar os olhos das crianças desde que isso não ocasione medos ou outros problemas de comportamento).

Dê a cada uma delas um objeto para tatear, como uma bola, uma pena, um brinquedo ou uma caixa surpresa. Peça-lhes para que através do tato, descrevam o objeto, sem contar o que ele é para o seu parceiro, até que ele adivinhe.

Em seguida, mude as duplas e os objetos de cada um.

Registre!

  • Como as crianças reagiram ao toque?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?
  • Como foi o relacionamento entre as crianças durante a atividade?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Você sabe o que PRAXIA?

Fonte: Noticias Bol

Relatórios/Rotina pedagógica/Movimento
0 Comments

Você sabe o que PRAXIA?

O desenvolvimento da criança é acompanhado pelo aumento e aprimoramento das formas de comunicação, que não são apenas verbais, mas também gestuais e pelo uso de objetos, os quais requerem habilidades motoras e a organização dos movimentos, orientados para uma finalidade. Durante muito tempo, os termos motricidade fina, grossa e global foram usados para se referir a habilidades que são muito mais amplas que isso. Hoje a neurociência específica que a execução dos atos motores intencionados portanto, dos atos voluntários coordenados e orientados conforme uma intenção específica é denominada PRAXIA.

Podemos dizer então que PRAXIA é a sequência harmônica dos movimentos necessários para a execução de atos motores mais ou menos complexos, com uma intenção e objetivo determinados por um contexto.

No período pré-escolar a criança tem uma grande evolução nas suas habilidades práxicas. Torna-se hábil na coordenação dos movimentos como lançar e agarrar uma bola, e também na execução dos gestos relacionados às sus atividades de vida diária, como se vestir ou comer sozinha. Está relacionado ao desenvolvimento do esquema corporal. A criança, quando tem alguma alteração do desenvolvimento, que em geral é de ordem neurológica, pode apresentar diversas alterações que podem prejudicar a aquisição de habilidades, inclusive de escrita. 

Entenda os 3 tipos de praxia:

#1 Praxia Ideomotora

“Refere-se à atividade gestual em um contexto de comunicação. Envolve, assim, gestos simbólicos como dar tchau, mandar um beijo, imitar gestos ou fazer mímicas. Por isso, incentivar a criança pequena a realizar estes gestos ou mímicas auxilia no desenvolvimento desta habilidade, que é relevante para a aquisição de outras habilidades motoras.”

 

 

# 2 Praxia Ideatória

Com o desenvolvimento da praxia ideomotora, a criança passa, então, a fazer uso de objetos como, por exemplo, encher o copo com água, abotoar a roupa e se pentear. A praxia ideatória exige, assim, não apenas a coordenação, mas sobretudo, a capacidade de realizar um movimento que tem uma sequência, uma finalidade, o qual obedece a ordem necessária, com harmonia, precisão e eficiência. Por isso, é importante incentivar a criança a realizar atividades como tomar banho (nas crianças pequenas sob supervisão), se vestir, usar talheres, etc.

# 3 Praxia Construtiva

Reflete a capacidade de percepção visual adequada para uma ação apropriada, implicando na habilidade de reproduzir ou construir figuras, desenhando ou montando-as. O desenvolvimento da praxia construtiva tem grande importância na habilidade que requer o uso do lápis, no desenho e na escrita, atividades comum para a criança. Esta habilidade envolve a síntese visual (discriminação dos detalhes ou das partes que constituem o todo0, a elaboração de uma representação mental (integração do objeto em algo unificado que pode ter um significado) e a reprodução (execução que demanda um planejamento e o controle dos atos motores). Assim, tem grande importância nas habilidades que requerem o uso do lápis, no desenho e na escrita, atividades comuns para a criança.

Várias atividades podem ser utilizadas para estimular o desenvolvimento da praxia construtiva. Utilizar massinha de modelar, brinquedos de montar, desenhar ou pintar são muito importantes na primeira infância, pois envolvem o desenvolvimento desta importante habilidade já que isso está intimamente relacionada com a escrita, como na reprodução das letras.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: Pulsação do coração
Atividades/Relatórios/Socioemocional
0 Comments

Atividade: Pulsação do coração

Esta atividade, em específico, além de estimular a capacidade de atenção também estimula a flexibilidade (capacidade de mudar o foco).

Descrição da Atividade

Ao som de uma música animada, peça para as crianças pularem, correrem e dançarem livremente, durante um minuto. Ao final, peça para se sentarem e colocarem suas mãos em seus corações. Diga-lhes para fecharem os olhos e sentirem seus batimentos cardíacos, sua respiração e o que mais elas notarem em seus corpos. Deixe-as sentindo por um minuto ou mais e depois peça que falem sobre isso em círculo.

Registre!

  • Como está o desenvolvimento da linguagem oral?
  • As crianças conseguiram sentir as batidas e  entender a atividade?
  • Quanto a separação silábica, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim? Como foi o relacionamento entre as crianças durante a atividade?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

7 Estratégias para Desenvolver a Atenção

Fonte: Criança em questão

Desenvolvimento Infantil/Práticas inovadoras
0 Comments

7 Estratégias para Desenvolver a Atenção

Toda atividade humana organizada possui algum grau de direção e seletividade. O caráter direcional e a seletividade dos processos mentais, base sobre a qual se organizam, é denominada atenção. A atenção é o mecanismo pelo qual nos preparamos para processar estímulos, enfocar o que vamos processar, determinar quanto será processado e decidir se demandam uma ação. Os mecanismos da atenção têm sido apontados como relevantes na execução de diversas tarefas (perceptivas, motoras, cognitivas), sendo determinantes na seletividade do processamento da informação.

Objetivos:

  • Apresentar estratégias para facilitar a capacidade de atenção da criança.
  • As ilustrações abaixo são dicas de como evitar situações que podem impactar na capacidade de atenção da criança.

#Dica 1 Mude de ambiente

Não exigir um tempo prolongado de permanência na mesma posição. Alternar as atividades com posição sentada, no chão e em pé ou fazer mudança de  ambiente (pátio, parque, sala, etc.)

Fonte: apostila PPI

# Dica 2: Cadeiras posicionadas corretamente

Cadeiras voltadas em direção à fonte de informação e atividades em círculos.

# Dica 3: Evite sala com muitos estímulos

#Dica 4: Tenha um objetivo claro

Atividades como filmes e história devem ser escolhidas com um objetivo claro para despertar o interesse das crianças.

# Dica 5: Abuse da Ludicidade

Atividades lúdicas (jogos, desenhos, brincadeiras, etc) desenvolvem a capacidade de atenção, além de outras funções.

#Dica 6: Instruções curtas

Evitar instruções muito longas e utilizar atividades mais breves, de no máximo 30 minutos, são mais adequadas para crianças de Educação Infantil.

#Dica 7: Planeje

O planejamento das atividades deve considerar o tempo que a criança poderá manter a sua atenção nela.

 

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Tudo Que Você Precisa Saber Para Escrever Um Ótimo Parecer Descritivo
Rotina pedagógica
0 Comments

Tudo Que Você Precisa Saber Para Escrever Um Ótimo Parecer Descritivo

Dos zero aos seis anos de idade, as crianças não são avaliadas por notas, mas sim por uma análise mais completa do seu desenvolvimento cognitivo, socioemocional e físico – algo que poderia, na minha opinião, estender-se por todos os níveis de educação. Na avaliação formativa, essa realizada na Educação Infantil, o objetivo é comparar a criança à ela mesma, perceber os obstáculos e dificuldades que ela enfrenta, assim como reconhecer conquistas e potenciais de crescimento. É a partir dessa análise que o professor pode definir suas próximas aulas sabendo que está fazendo o que é melhor para a evolução de cada criança de sua turma.

A maioria das escolas que conheço ainda utiliza uma lista de objetivos de aprendizagem relacionados a seis grandes áreas de conhecimento: Artes, Música, Linguagem Oral e Escrita, Movimento, Matemática e Natureza e Sociedade. Essas áreas foram estipuladas na década de 90, no Referencial Curricular de Educação Infantil. Se você trabalha com esses tópicos, provavelmente deve responder cada um deles com um “sim”, “não” ou “em andamento”. Esse também é o sistema que usamos na plataforma Eduqa.me.

Com as mudanças que vêm sendo discutidas na área da Educação – como, por exemplo, o ensino integral ou a interdisciplinaridade – é de se esperar que a forma de avaliar também se transforme. Afinal, o desenvolvimento infantil não pode ser medido apenas com duas ou três palavras em uma tabela, certo? É preciso espaço para fazer reflexões mais profundas sobre cada criança, sobre sua vida emocional e social (que é tão importante para o sucesso e a saúde futuras quanto o aprendizado cognitivo) e tudo o que interfere na sua vida escolar.

Calma, não é hora de jogar tudo fora e começar um novo processo avaliativo do zero. Provavelmente, sua escola já caminha nessa direção: é para isso que serve o parecer descritivo, que acompanha a maioria das avaliações na Educação Infantil. Esse espaço também está disponível na Eduqa.me, como mostra a tela abaixo:

Para que serve o parecer descritivo?

Ele é uma interpretação da sua avaliação (aqueles objetivos que você respondeu com “sim”, “não” ou “em andamento”), ou, ainda, um diagnóstico em que o professor reconhece as necessidades das crianças e sugere uma estratégia para que elas se desenvolvam plenamente. Lembre-se de que o objetivo é informar os adultos e buscar soluções, nunca rotular a criança como boa ou ruim.

Esse documento acompanha a avaliação, portanto, não é preciso copiá-las palavra por palavra – além de isso tomar tempo dobrado do professor, não será útil nem à coordenação, nem aos pais, nem aos próximos professores que seu aluno tiver.

Também não é necessário enfeitar o texto: mantenha um estilo simples e conciso, fácil de compreender. Quanto mais clara for a mensagem, melhor e mais eficaz o acompanhamento que essa criança vai receber de todas as frentes. Normalmente, o parecer não deve passar de uma ou duas páginas.

O que devo escrever?

O parecer deve contemplar a criança como um todo: não apenas o aprendizado cognitivo, tradicional, mas também seus aspectos sociais e emocionais (foto: Apple Tree Institute)
O parecer deve contemplar a criança como um todo: não apenas o aprendizado cognitivo, tradicional, mas também seus aspectos sociais e emocionais (foto: Apple Tree Institute)

Você quer olhar para o desenvolvimento integral de cada criança – o que pode ser um pouco abstrato demais. É comum que os professores se sintam inseguros com o parecer descritivo, temendo estar deixando algo importante de fora.

Ao invés de começar a escrever sem um objetivo, agrupe seus registros e avaliações dentro destes aspectos:

  • Aspectos cognitivos: ou o aprendizado tradicional. Está relacionado à memória, pensamento crítico, compreensão de informações e aplicação dos conhecimentos em contexto real. Basicamente, o professor vai descrever como os alunos estão se saindo no ambiente de sala de aula, executando as atividades propostas e aprendendo os conteúdos selecionados pelo currículo;
  • Aspectos sociais: descreva como a criança se relaciona com os colegas, com o grupo e com outros adultos. Características como participação, cumprimento das regras, trabalho em equipe, organização e responsabilidade entram nessa categoria;
  • Aspectos emocionais: também é essencial abordar os comportamentos e expressões de emoção. Como ela lida com sucessos e fracassos? Como se sente no ambiente escolar? Como reage a novos desafios? De que forma lida com seus sentimentos (costuma chorar, tem alguma atitude agressiva, isola-se do resto da classe, etc.)?
  • Aspectos físicos: sua turma está em uma fase crítica de crescimento, e isso deve ser acompanhado de perto. Use esse espaço para falar do desenvolvimento da expressão corporal, ritmo e equilíbrio, motricidade ampla e fina, uso e aplicação de força. Aproveite para descrever rapidamente questões de saúde e higiene que pareçam relevantes (uma sugestão sobre alimentação saudável, por exemplo, estaria nessa categoria).

Como me expressar?

Ao invés de usar termos muito amplos, conte experiências específicas para mostrar o que está acontecendo na escola (foto: Top Care)
Ao invés de usar termos muito amplos, conte experiências específicas para mostrar o que está acontecendo na escola (foto: Top Care)

Mantenha um tom firme – você deve ter certeza do que está escrevendo com base em suas observações durante as aulas, seus registros por escrito, fotos ou vídeos, as produções realizadas pelas crianças durante aquele período e, se necessário, discussões com outros professores e coordenadores que já conviveram com aquelas crianças. Esse material deve ser reunido para que o professor tenha uma visão completa e apurada.

Por outro lado, tenha em mente que os pais ou familiares não acompanharam a sala de aula com você em todos os momentos, nem terão todos os seus registros para embasar a avaliação. Você deve descrever os comportamentos e aprendizados com palavras e verbos específicos. Isso não significa encher seu texto de detalhes e escrever várias páginas, mas sim evitar expressões muito amplas que não expliquem exatamente o que você quer dizer: você pode, por exemplo, dizer que uma das crianças “fala demais”. Isso, entretanto, não ajuda muito a compreender a situação. Tente substituir por descrições de momentos em que isso acontece – ela interrompe os colegas? O professor? Conversa sobre o tema da aula ou sobre ideias próprias? Fala de forma agressiva ou bem humorada?

Tome cuidado para não soar fria ou distante. Afinal, você passa horas com aquelas crianças todos os dias, e os pais querem sentir que seus filhos estão em um local seguro, com alguém que se importa com eles. Portanto, evite termos pejorativos, expressões negativas ou julgamentos precipitados.

Enfatize sempre os pontos positivos das crianças. Encontre aquilo em que ela se destaca – seja a comunicação, sejam trabalhos artísticos, seja o relacionamento afetuoso com os colegas, a aptidão para matemática – e dê destaque a essas características.

Sugira soluções e trabalhe em equipe

Após descrever o desenvolvimento atual das crianças, seus pontos fortes e dificuldades, sugira formas de superar os problemas em parceria com a família (foto: DRPF Consults)
Após descrever o desenvolvimento atual das crianças, seus pontos fortes e dificuldades, sugira formas de superar os problemas em parceria com a família (foto: DRPF Consults)

A estrutura do seu parecer deve conter:

  • Experiências em que a criança se destaca;
  • Experiências em que a criança está se desenvolvendo dentro do esperado;
  • Experiências em que a criança está apresentando dificuldades;
  • Possíveis ações para ajudá-la a superar essas dificuldades.

Ou seja, caso você identifique problemas que precisem ser corrigidos, siga seu diagnóstico com possíveis ações. Explique brevemente o que está acontecendo e porque isso é problemático. Diga qual evolução você gostaria de ver e, então, aponte caminhos para atingi-la.

Mostre tanto o que pode ser feito pela escola e pelo professor quanto o que a família pode fazer em casa para auxiliar na mudança. Além disso, coloque-se à disposição dos pais para ajudá-los a superar a situação ou ouvir suas dúvidas e opiniões.

Outros cuidados

O parecer descritivo é um documento da escola. Por isso, tome cuidado com erros de grafia, gramática, pontuação ou formatação. Não entregue textos rasurados.

Na Eduqa.me essa tarefa é muito simples, com um clique você preserva uma foto, vídeo e também faz anotações individuais das crianças:

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME

ODS: Educação de qualidade
Registros/Práticas inovadoras
0 Comments

ODS: Educação de qualidade

Olá!

Hoje, vamos falar sobre o ODS: Educação de Qualidade. Também, tendo como base o vídeo da Unesco sobre o assunto, voltado às crianças. E algumas dicas de como podemos trabalhar este tema com as mesmas em sala de aula.

Destaque para alguns pontos do vídeo:

# Cultura de paz: “Educação para a paz”, “Evitar violência”, “É todo mundo respeitar o meio ambiente”.

#Igualdade de Gênero

#Cidadania Global (Respeito aos espaços, respeito ao próximo).

Podemos iniciar o diálogo com as crianças, perguntando às mesmas sobre o que elas entendem de cada assunto, como podemos fazer tudo isso e depois, ir aprofundando dentro de cada tema de acordo com as respostas. Por exemplo:

# CIDADANIA GLOBAL

O que é Cidadania Global para você?

Você sabia que uma atitude cidadã é saber respeitar ao próximo, os espaços e o meio ambiente?

RESPEITO:

– Respeito ao meio ambiente: Não jogando lixo na rua, evitando o desperdício, economizando luz, água.

– Respeito ao próximo: Se eu não quero meu espaço sujo, acumulando lixo, por que eu vou fazer isso com o espaço dos outros? Se aqui, questões como: “Mas, a rua não é espaço de ninguém…”  surgirem, então, seria interessante, aproveitar a oportunidade para dialogar sobre espaços.

– Espaços: O que é o meu espaço? O que é o espaço do outro? O espaço do outro é só do outro ou é meu também? Se eu estou longe do foco de lixo, isso não me afeta? (Falar sobre dengue, parasitas e outras doenças causadas por más condições de saneamento). Desrespeitar o espaço do outro causa alguma implicação a mim? Se causa: o que poderia causar? Se não causa, ainda assim, eu tenho o direito de desrespeitá-lo? Se um outro está triste, eu posso estar bem? Se eu faço mal a um outro, isso pode voltar para mim?. O que é empatia? Por que eu preciso tê-la? Como ter uma vida na qual haja mais empatia, mais amor?  

 

# IGUALDADE DE GÊNERO

Fonte: businessinsider.com

Com relação às questões de igualdade de gênero poderíamos questionar:

– Existe cor de menina e de menino?

– Existem brincadeiras de menina e de menino?

– Meninas podem brincar de carrinho? Meninos podem brincar de boneca?

 

 

 

# EDUCAÇÃO DE QUALIDADE

Fonte: www.thenextweb.com

 O que é educação de qualidade para você? Acho que as perguntas finais também são interessantes de perguntar às mesmas, porque a partir do que for falado, certamente, vão surgir insights do que você poderá trabalhar em sala de aula ao longo do ano para que o aprendizado das mesmas seja ainda mais significativo.

Eu, particularmente, acredito em um aprendizado com significado para a vida. O que eu aprendo fará diferença, significativa, na minha vida e na do outro, para melhor? Faz sentido, algum aprendizado, que não nos traga algo que venha a melhorar a nossa condição humana?  

Acho importante trazer à tona este comportamento reflexivo na criança, pois, isso, amplia o entendimento de interconexão de tudo o que há.

Isto traz embutido o conceito de respeito, de ética, de empatia em relação ao todo.

Eu posso trabalhar em qualquer área mas sofro influência de todas as demais profissões, por isso é preciso ter a visão do todo e agir em prol deste todo.

É legal levantar esta questão para as crianças para que elas entendam que ainda que queiram trabalhar, futuramente, em uma determinada área, ela precisa ter a visão do todo já que é parte deste todo e, portanto, recebe e exerce influência dentro do mesmo.

Quanto mais cedo houver este entendimento, melhor será, futuramente.

Espero que tenham gostado das minhas dicas e tenham pensado em várias atividades relacionadas.

Reflita e Registre!

  •  As crianças praticam o respeito?
  • Quanto ao vídeo, achou que ajudou? Qual parte mais gostou?
  • A igualdade de gênero na sua sala de aula é algo que acontece?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Na Eduqa.me você consegue fazer planos da rotina da semana, registro de atividades, perfil das crianças, relatórios e compartilhamento com a família.

Tudo em um único lugar!

Juliana Monteiro para a Eduqa.me. Juliana é educadora, nutricionista e fundadora da Sustentável é Ser Humano. Saiba mais em: www.sustentaveleserhumano.com.br