A hora da história é uma unanimidade entre educadores infantis. A narrativa serve vários propósitos, desde estimular a fantasia e criatividade, até introduzir novo vocabulário. Existe, porém, uma relutância por parte dos educadores em utilizar qualquer material de leitura considerado “difícil demais” – com palavras longas, por exemplo, ou uma narrativa um pouco mais estruturada.

 Esse receio é desnecessário. Claro, ninguém sugere que o professor leia Tolstói para uma turma de jardim de infância, mas uma narrativa envolvente é apenas benéfica para as crianças. Na metodologia Waldorf, contos de fadas são usados como uma ferramenta não só para melhorar a linguagem como também para trabalhar o viés emocional: as perdas e superações das histórias fantásticas são um conforto na hora de os pequenos entenderem a própria realidade.

 Para saber mais sobre a metodologia Waldorf, clique aqui.

Foto: Google (reprodução)

Foto: Google (reprodução)

 Área de Conhecimento

Linguagem oral e desenvolvimento de identidade.

Faixa etária

Por exigir um mínimo de articulação oral, essa atividade pode ser realizada a partir dos 2 anos. No entanto, qualquer criança, desde o nascimento, pode ser beneficiada ao ouvir um “Era uma vez…”. A hora da leitura pode ser trabalhada desde o berçário, como momento de relaxamento e conexão, até as turmas mais velhas, como meio de adquirir conhecimento linguístico e exercitar a compreensão.

Material

  • Livros de contos de fadas (recomenda-se os contos dos irmãos Grimm, que trazem temas universais), sempre com ilustrações acompanhando o texto.

Preparação

Sua tarefa de casa é ler o livro com antecedência – assim, você pode virar as páginas para as crianças durante a leitura, para que elas possam contemplar o livro, sem prejudicar seu ritmo.

Organize as crianças sentadas em um círculo, de forma que todas consigam assistir o professor. Comece mostrando a capa do livro escolhido e levante questões sobre ela: o que eles estão vendo ali? Quais as cores? Sobre o que será a história? Anuncie o título e a personagem principal com empolgação! Antes de abrir o livro, explique que, na hora da história, todos precisam ficar quietinhos para ouvir o que vai acontecer.

Atividade

Conte a história com envolvimento: mude o tom de voz e a entonação de acordo com os personagens. Deixe as páginas viradas na direção dos alunos pelo máximo de tempo possível, e vá sublinhando as frases que está lendo com o dedo, atraindo a atenção para a palavra escrita. Mesmo crianças não alfabetizadas entendem que a história está “saindo” daqueles símbolos, e logo começarão a fazer pseudo-leitura (fingir que estão lendo, contando histórias em voz alta, “escrevendo” rabiscos que, para elas, significam frases inteiras).

Quando terminar, faça perguntas sobre a história e, então, proponha um exercício: quem consegue contar aquela história de novo? Chame as crianças para que elas mesmas expliquem o que acabaram de ouvir, e ajude-as lembrando de detalhes que complementem seus relatos.

Foto: Google (reprodução)

Foto: Google (reprodução)

Variações

  • Pré-alfabetização e linguagem oral: o próprio contato com os livros é um estímulo para iniciar a leitura. Após contar a história, e se houver tempo disponível para a atividade, deixe que as crianças explorem o material, vejam as imagens e virem as páginas. Mande livros para casa para que elas tenham um momento de leitura com os pais, e peça para que elas contem as histórias que ouviram aos colegas no dia seguinte (apesar de que, provavelmente, não será nem necessário pedir! Elas mesmas devem se oferecer para falar sobre o que “leram”).

Para avaliar

  • As crianças ficam em silêncio e prestam atenção na história?
  • Mostram interesse pelo livro e pelas palavras impressas?
  • Compreendem a narrativa contada pelo professor?
  • Conseguem repetir parte da história?
  • Conseguem repeti-la em ordem cronológica de acontecimentos?
  • Realizam a pseudo-leitura e manuseiam o livro corretamente?
  • Essas anotações são importantíssimas e devem ser feitas individualmente com os relatórios individuais  fica bem mais fácil acompanhar a evolução desse pequenino, não é? Então, minha dica é que você tenha frequência na escrita e indícios com fotos e vídeos em um local seguro de maneira simples.Acesse a Eduqa.me para ter registros completos, fáceis e rápidos de atualizar.CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

Aproveite a duração da atividade não apenas para acompanhar e facilitar o aprendizado da turma, como também para registrar esse desenvolvimento. Fotos e vídeos são ferramentas simples que podem ser usadas durante a aula para gravar detalhes na evolução de cada aluno, facilitando o relatório pedagógico que será feito mais adiante! Acesse a Eduqa.me para ter registros completos, fáceis e rápidos de atualizar.


Comentários no Facebook