Consciência de Sílabas: Bate Palmas

Fonte: MonJunction

Atividades/Linguagem/Registros
0 Comments

Consciência de Sílabas: Bate Palmas

O que é a consciência de sílabas? É a capacidade de segmentar palavras em sílabas, e realizar diversas tarefas de manipulação como segmentação, identificação, rima, aliteração, subtração, adição e transposição.

Objetivos

  • Estimular a consciência dos sons;
  • Favorecer a atenção à linguagem oral.

Habilidades a Serem Estimuladas

  • Consciência dos sons;
  • Oralidade;
  • Reconhecimento e consciência das unidades mínimas (sílabas) da palavra.

Jogo em que cada criança fala o seu nome e todos batem palmas a cada sílaba

Aqui o professor deve comentar que as palavras são formadas por sílabas e que podemos contar quantas sílabas cada palavra tem (baseado em Capovilla, 2004).

Material

  • Quadro ou cartolina para escrever o número de sílabas que cada nome tem.

Descrição da Atividade

Agora que nós já vimos que as palavras têm partes, vamos ver quantas partes têm os nossos nomes?

Vou começar com o nome /José/. Eu vou repetir o nome bem devagar e vocês devem bater palmas em cada parte, em cada sílaba dele. Vamos:/José/. Quantas partes têm? Duas partes. Agora os nomes  de vocês:

[Cada um diz o seu nome, batendo palmas e diz quantas partes têm].

Sugestão de Discussão

Vocês viram nesse jogo que os nossos nomes também têm partes menores, as sílabas. Nós podemos contar quantas sílabas nossos nomes têm. Cada um de vocês contou quantas sílabas seu nome tem.

Alguns nomes são compridos, eles têm muitas sílabas. Outros têm poucas sílabas, eles são curtos. Então, nossos nomes também têm sílabas, e alguns têm mais sílabas do que outros.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Consciência de Sílaba: O chapéu de Três Pontas

Fonte: Pinterest

Atividades/Linguagem/Relatórios
0 Comments

Consciência de Sílaba: O chapéu de Três Pontas

Essa atividade “O Chapéu de 3 pontas” é baseado em Almeida& Duarte, 2003.

Essa é uma atividade que vai contribuir para o desenvolvimento da consciência silábica da criança, naturalmente, irá repercutir no aprendizado da leitura e da escrita.

Existem muitas maneiras de estimular a consciência fonológica, porém, quanto mais lúdico o processo, mais satisfatório é o resultado.

Material

  • Música folclórica: O chapéu de 3 pontas.

Descrição da Atividade

  1. Cantar a música:

    O meu chapéu tem três pontas

    Tem três pontas o meu chapéu

    Se não tivesse três pontas

    Não seria o meu chapéu.

    Falar a música em um tom único tom sem entonação, separando as partes da palavra.

    CHA-PÉU-DE-TRÊS-PON-TAS

  2. Bater palmas a cada parte das palavras da música. Utilize a música na forma falada.
  3. Dizer de quantas partes são formadas as palavras.

PON-TAS=2 /TI-VES-SE=3/CHA-PEU=2/MEU= 1 

Variações

O uso de apoio visual pode auxiliar muito as crianças que estão começando a compreender o conceito de sílaba, ou seja, desenhar um círculo que represente cada pedaço a palavra facilita seu aprendizado. O círculo pode ser substituído por lápis ou mesmo pelos dedos da mão, tornando mais concreto um conceito abstrato, especialmente quando elas devem contar quantas sílabas há na palavra.

Registre!

  • Como está o desenvolvimento da linguagem oral? As crianças conseguiram entender a atividade?
  • Quanto a separação silábica, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim? Como foi o relacionamento entre as crianças durante a atividade?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: Emoções na Tela

Fonte: Maternidade Simples

Atividades/Registros/Socioemocional
0 Comments

Atividade: Emoções na Tela

Objetivo

  • Pensar sobre as emoções
  • Ilustrar as principais emoções existentes por meio de exibição de vídeos e filmes.
  • Identificar e discutir sobre as emoções dos personagens.

Material

Vídeos do Youtube e filmes como:

Filme: O Bom Dinossauro

Filme: Zootopia

Filme: Cada um na sua casa

Filme: Festa no Céu

Filme: Irmão Urso

Filme: O Lorax – em busca da Trúfula Perdida

Filme: Divertidamente

Filme: Up Altas Aventuras

Você pode ver mais filmes em: 5 Filmes Encantadores para Educação Infantil 

Sugestões de Perguntas para Direcionar a Discussão após o Filme

  • O que vocês acham que o personagem X sentiu?
  • Vocês se lembram de alguma situação em que se sentiu como o personagem? Conte-nos como foi.
  • O que vocês poderiam fazer para ajudá-lo se fosse seu amigo?

Dicas: podem ser feitas algumas perguntas antes de começar a reproduzir o filme, para direcionar o olhar da criança para alguns aspectos. Como se fosse um “assistir dirigido”.

Lembre-se de documentar as sessões de cinema e as atividades realizadas em sala!

Como alguns desses projetos não usam folhas de atividade que podem ser enviadas para os pais, utilize fotos e vídeos para capturar o desenvolvimento das crianças em cada etapa. Essas imagens também servem para facilitar a escrita de seus relatórios (clique aqui para dicas de como usar tecnologia para criar registros mais ricos). Tem mais sugestões de filmes para a Educação Infantil? Conte para a Eduqa.me nos comentários!

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

5 Dicas Para Lidar com a Birra

Fonte: Google

Relatórios/Socioemocional
0 Comments

5 Dicas Para Lidar com a Birra

Objetivos

  • Compreender o comportamento de birra.
  • Orientar o professor de como lidar com o comportamento de birra em sala de aula.

Birra

O comportamento de birra, essa reação de choro, grito, que a criança faz quando não tem o que quer, tem um início muito cedo em sua vida e faz parte do seu desenvolvimento emocional, tendo um papel na formação de sua identidade e vontade própria.

Porém, para que a birra exerça a sua função no desenvolvimento dos pequenos de forma positiva, é necessário que ela receba o tratamento adequado. Como a criança de até 5 anos ainda não desenvolveu a capacidade de saber esperar e nem noção de tempo, ela enfrenta uma angústia muito grande quando não tem o que quer na hora que quer e isso acontece todas as vezes quando ela se depara com frustrações que podem ser decorrentes de sua limitação ou dos “nãos” dos  adultos.

Para lidar com a birra de forma a transformá-la num aprendizado, evitando que ela se torne uma reação costumeira e um futuro problema de comportamento difícil de se resolver, aqui vão algumas dicas essenciais.

# Dica 1: Mantenha a tranquilidade e o equilíbrio

Respire fundo e espere que a criança se acalme. Se for necessário, leve-a a um outro local explicando que vai fazer isso para que ela possa se acalmar. Caso a criança se debata ou tenha atitudes agressivas ou autolesivas, ajude-a a conter-se, pode pegá-la no colo e peça ,com calma, para ela se tranquilizar. Quando isso acontecer, elogie-a por ter conseguido e converse amigavelmente com ela, dizendo algo como:

“Que bom que você conseguiu se acalmar, agora podemos pensar melhor em como resolver essa situação”.

É importante que ela entenda que é amada, mas que esse comportamento não é aceitável. Se estiver difícil ela conseguir se acalmar, chame-a para auxiliá-lo em alguma outra atividade, assim você poderá fazer com que ela desvie a atenção da birra.

# Dica 2 : Dialogue

Depois que birra passar, você pode conversar com a criança, fazendo-lhe perguntas simples do tipo: “o que aconteceu?”, “por que você agiu assim?”. Escutando as respostas você irá entender se aquele comportamento e normal ou exagerado.

#Dica 3: Faça combinados

Faça combinados com a criança. Esta é uma boa estratégia para evitar que ela tenha este mesmo comportamento novamente. Por exemplo, se a criança fez birra porque não quer ajuda a guardar os brinquedos, você pode tentar negociar com ela da seguinte forma: “Tudo bem não guardar agora, mas que tal você guardar na hora de ir para o parquinho?”

É importante elucidar as consequências dos não cumprimento das regras e fornecer alguma recompensa se ela for cumprida (abraço, elogio, cartão com um desenho carinhoso feito por você, etc), caso contrário, o esforço não terá sentido para a criança.

# Dica 4: Explique

Quando a criança fizer algum tipo de birra inegociável, chame-a para uma conversa em que você explique que isso não é admitido e porquê, depois realize com ela a atividade do teatro das emoções.

# Dica 5: Elogie

Nunca esqueça de elogiar  a criança sempre que ela cumprir algum combinado ou seguir as regras!

Registre!

  • Você soube lidar com as crianças birrentas?
  • Quais foram os principais motivos das birras?
  • Quanto a entender a birra, funcionou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

 

 

 

Estratégias: Lidando com Comportamentos Difíceis

Fonte: Google

Socioemocional/Práticas inovadoras/Práticas inovadoras/Socioemocional
0 Comments

Estratégias: Lidando com Comportamentos Difíceis

Uma criança se comporta como se comporta porque aprendeu que, ao agir como age, consegue o que quer: a atenção [dos adultos].

(Chamati, A. 2014)

Objetivo:

  • Orientações ao professor de como lidar com comportamento difíceis em sala de aula.
  • Promover habilidades sociais.
  • Desenvolver habilidades e competências emocionais.

Ensinar habilidades sociais

Habilidades sociais são necessárias ao bom convívio com nossos pares. Podem ser introduzidas por meio da contação de história, apresentação de marionetes ou exibição de filmes/ desenhos, que tragam o tema emoções à tona.

Quando uma criança bater, morder, estapear ou esmurrar outra:

  • Reagir com calma, porém expressando a sua desaprovação.
  • Aproveitar para falar sobre como a criança se sentiu, reforçando as emoções e sentimentos: ” Eu sei que você ficou muito bravo com seu colega, mas bater não vai resolver o problema. Você tem que conversar!”
  • Ensinar como expressar a raiva e a frustração usando a fala ao invés da agressão. Por exemplo, ensinar um aluno que bateu no outro por ter sido chamado de gordo e falar: “Fulano, eu não gosto quando você me chama de gordo, isso me deixa muito triste.”
  • Entender o nível de maturidade das crianças e prever certas situações: As crianças entre 2 e 3 anos ainda não conseguem brincar em conjunto, preferem fazer brincadeiras paralelas, uma ao lado das outras, sem interagir diretamente. Quando procuram um colega, e na maioria das vezes, por interesse, desejo de possuir algum brinquedo que o outro tem e tentar tirá-lo. O resultado é, quase sempre, uma briga.
  • Não agrupe ou isole as crianças com problemas comportamentais. Se agrupadas com outras igualmente difíceis, seus problemas serão ampliados e poderão se tornar ainda mais incontroláveis e, se isoladas, seus problemas poderão se intensificar.

Reforce as interações positivas

Sempre que puder reforce as interações positivas que elas tiverem com seus pares, como por exemplo:

  • Brincar de maneira cooperativa, revezando turnos, compartilhando brinquedos, colaborando com brincadeiras de faz de conta e etc…
  • Dialogar respeitosamente, fazendo perguntas e respondendo a solicitações de esclarecimentos;
  • Convidar o coleguinha para brincar;
  • Identificar os próprios sentimentos e os dos outros;
  • Controlar a impulsividade ou as explosões de raiva quando excitadas ou transtornadas;
  • Lidar com frustrações do dia a dia;
  • Conseguir resolver os conflitos de uma maneira positiva.

Registre!

  •  As crianças conseguiram entender o combinado?
  • Quanto a seguir as regras, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: para Promover Competências Sociais e Emocionais

Fonte: 9monete

Relatórios/Socioemocional
0 Comments

Atividade: para Promover Competências Sociais e Emocionais

Objetivo

Desenvolver as habilidades sociais por meio de leitura, livros, jogos e tarefas. Medicação de comportamentos difíceis.

Habilidade a ser Estimulada

  • Habilidades sociais;
  • Competências emocionais;
  • Resolução de problemas e tomadas de decisões.

Material

Livros diversos que podem ser anotados:

Reizinho mandão, de Ruth Rocha.

Palavrinhas mágicas, da cantora Eliana.

Faixa Etária

a partir de 4 anos.

Descrição

A atividade começa com a leitura de história para as crianças. Após a leitura, forma-se uma roda de conversa, onde são trazidas algumas “situações problemas” do livro para serem discutidas em grupo. Depois se distribui uma placa de palavrinha mágica para cada aluno e, um por vez, deve falar, em que situação deve utilizar a palavrinha mágica que ele pegou. Para finalizar pode ser cantada a música palavrinha mágica.

Exemplos de placa:

Registre!

  •  As crianças conseguiram entender o conceito da palavrinha mágica?
  • Quanto a seguir as placas, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

7 Dicas para Manter a Saúde Física e Mental do Professor

Fonte: Lehramts

Rotina pedagógica/Socioemocional
0 Comments

7 Dicas para Manter a Saúde Física e Mental do Professor

O programa cuca legal tem sido desenvolvido por uma equipe de profissionais ligada a Universidade Federal de São Paulo. A proposta do programa é “sensibilizar para a relevância da Educação Emocional na vida do profissional da saúde e educação, trazer informações com base nas neurociências, nos mecanismos de integração entre cérebro, comportamento e emoções. São utilizadas, dentre outras coisas, as práticas e teorias da Roda de conversa e da Atenção plena.”. Vale a pena conferir!

Acesso o site: http://cucalegal.org.br/ para maiores informações.

#Dica 1

#Dica 2

#Dica 3

#Dica 4

#Dica 5

#Dica 6

#Dica 7

 

 

 

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: A arte do Toque
Atividades/Registros
0 Comments

Atividade: A arte do Toque

As crianças possuem uma natureza singular e genuína que as caracteriza como seres que sentem, pensam e experimentam o mundo de um jeito próprio. Vamos refletir um pouquinho sobre esse jeito de ver o mundo?

Hoje preparamos uma atividade que explora o tato.

Descrição da Atividade

Peça para as crianças se juntarem em duplas e fecharem os olhos ( como alternativa, pode-se vendar os olhos das crianças desde que isso não ocasione medos ou outros problemas de comportamento).

Dê a cada uma delas um objeto para tatear, como uma bola, uma pena, um brinquedo ou uma caixa surpresa. Peça-lhes para que através do tato, descrevam o objeto, sem contar o que ele é para o seu parceiro, até que ele adivinhe.

Em seguida, mude as duplas e os objetos de cada um.

Registre!

  • Como as crianças reagiram ao toque?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?
  • Como foi o relacionamento entre as crianças durante a atividade?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Você sabe o que PRAXIA?

Fonte: Noticias Bol

Relatórios/Rotina pedagógica/Movimento
0 Comments

Você sabe o que PRAXIA?

O desenvolvimento da criança é acompanhado pelo aumento e aprimoramento das formas de comunicação, que não são apenas verbais, mas também gestuais e pelo uso de objetos, os quais requerem habilidades motoras e a organização dos movimentos, orientados para uma finalidade. Durante muito tempo, os termos motricidade fina, grossa e global foram usados para se referir a habilidades que são muito mais amplas que isso. Hoje a neurociência específica que a execução dos atos motores intencionados portanto, dos atos voluntários coordenados e orientados conforme uma intenção específica é denominada PRAXIA.

Podemos dizer então que PRAXIA é a sequência harmônica dos movimentos necessários para a execução de atos motores mais ou menos complexos, com uma intenção e objetivo determinados por um contexto.

No período pré-escolar a criança tem uma grande evolução nas suas habilidades práxicas. Torna-se hábil na coordenação dos movimentos como lançar e agarrar uma bola, e também na execução dos gestos relacionados às sus atividades de vida diária, como se vestir ou comer sozinha. Está relacionado ao desenvolvimento do esquema corporal. A criança, quando tem alguma alteração do desenvolvimento, que em geral é de ordem neurológica, pode apresentar diversas alterações que podem prejudicar a aquisição de habilidades, inclusive de escrita. 

Entenda os 3 tipos de praxia:

#1 Praxia Ideomotora

“Refere-se à atividade gestual em um contexto de comunicação. Envolve, assim, gestos simbólicos como dar tchau, mandar um beijo, imitar gestos ou fazer mímicas. Por isso, incentivar a criança pequena a realizar estes gestos ou mímicas auxilia no desenvolvimento desta habilidade, que é relevante para a aquisição de outras habilidades motoras.”

 

 

# 2 Praxia Ideatória

Com o desenvolvimento da praxia ideomotora, a criança passa, então, a fazer uso de objetos como, por exemplo, encher o copo com água, abotoar a roupa e se pentear. A praxia ideatória exige, assim, não apenas a coordenação, mas sobretudo, a capacidade de realizar um movimento que tem uma sequência, uma finalidade, o qual obedece a ordem necessária, com harmonia, precisão e eficiência. Por isso, é importante incentivar a criança a realizar atividades como tomar banho (nas crianças pequenas sob supervisão), se vestir, usar talheres, etc.

# 3 Praxia Construtiva

Reflete a capacidade de percepção visual adequada para uma ação apropriada, implicando na habilidade de reproduzir ou construir figuras, desenhando ou montando-as. O desenvolvimento da praxia construtiva tem grande importância na habilidade que requer o uso do lápis, no desenho e na escrita, atividades comum para a criança. Esta habilidade envolve a síntese visual (discriminação dos detalhes ou das partes que constituem o todo0, a elaboração de uma representação mental (integração do objeto em algo unificado que pode ter um significado) e a reprodução (execução que demanda um planejamento e o controle dos atos motores). Assim, tem grande importância nas habilidades que requerem o uso do lápis, no desenho e na escrita, atividades comuns para a criança.

Várias atividades podem ser utilizadas para estimular o desenvolvimento da praxia construtiva. Utilizar massinha de modelar, brinquedos de montar, desenhar ou pintar são muito importantes na primeira infância, pois envolvem o desenvolvimento desta importante habilidade já que isso está intimamente relacionada com a escrita, como na reprodução das letras.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Atividade: Pulsação do coração
Atividades/Relatórios/Socioemocional
0 Comments

Atividade: Pulsação do coração

Esta atividade, em específico, além de estimular a capacidade de atenção também estimula a flexibilidade (capacidade de mudar o foco).

Descrição da Atividade

Ao som de uma música animada, peça para as crianças pularem, correrem e dançarem livremente, durante um minuto. Ao final, peça para se sentarem e colocarem suas mãos em seus corações. Diga-lhes para fecharem os olhos e sentirem seus batimentos cardíacos, sua respiração e o que mais elas notarem em seus corpos. Deixe-as sentindo por um minuto ou mais e depois peça que falem sobre isso em círculo.

Registre!

  • Como está o desenvolvimento da linguagem oral?
  • As crianças conseguiram sentir as batidas e  entender a atividade?
  • Quanto a separação silábica, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim? Como foi o relacionamento entre as crianças durante a atividade?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!