Pense AGORA na aula mais incrível que você teve na  infância.

Consegue lembrar?

Curioso como mesmo depois de tanto tempo ainda lembramos, né?

Essa pergunta me veio a mente em 2012 quando fazia um treinamento com professores em Atibaia e desde então a levo no bolso. Inicialmente parece uma pergunta inocente, mas experimenta fazê-la.

Naquele dia, percebi como a plateia de professores mergulhou no tempo e nas suas histórias e por conta dessa entrega vivemos um momento mágico; cada um começou a resgatar suas infâncias e se lembrar de histórias super legais.

Ouvi histórias lindas e criativas e me emocionei quando contei a minha lembrando de Brasília, da professora e dos meus coleguinhas do jardim de infância e também me lembrei do cheiro que a minha escola tinha: era um inconfundível cheiro de giz de cera!

A Minha aula inesquecível

Professora Lete e o Jardim de Infância de 1989

A minha história se mistura com com os cinco sentidos e com um livro clássico da literatura infantil: chapeuzinho vermelho. Qual criança não gosta desse livro? Ele tem cores, floresta, uma mãe que dá autonomia à uma criança, doces, comida, lobo, avó, dança e uma música viciante.

Vou te contar porque esse livro ficou mais especial depois da professora Lete.

Em 1989 a professora Lete planejou sua semana escolhendo um livro e fazendo uma roda de leitura. Até aí tudo bem, sem muitas novidades, certo?

Certo. Se não fosse a professora Lete e sua criatividade.

Lembro que estávamos todos sentadinhos em uma roda de leitura e, em determinado momento, a luz se apagou e um cheiro diferente surgia no ar; junto com o cheiro um barulho de folhas secas quebrava o silêncio e o barulho oscilava entre pisadas e alguns rugidos. Isso mesmo, eram rugidos e uivos de lobos.

Toda a sala estava com os olhos arregalados e prestando atenção em todo e qualquer movimento que a Tia Lete fazia (quase sempre assim), mas dessa vez ela tinha acertado a mão na história e na encenação.

Atrás da Coxia

A professora Lete fez a contação de história usando técnicas de teatro e abusando da sonoplastia e hoje percebo como ela amava fazer aquilo e como gastou tempo elaborando cada pedacinho da aula.

Desse lembrança eu me perguntei: Como a professora Lete transformou essa aula em uma aula inesquecível?  Por que eu não tive mais aulas dessas? Por que, mais tarde, não consegui aprender sobre polinômios com o mesmo carinho inesquecível?

Para entender um pouquinho mais sobre isso convidamos os irmãos Armelin para mostrar pra gente porque e como essas memórias se constroem dentro da nossa cabecinha e como podemos fazer isso com mais frequência com os nossos alunos.

Storytelling na sala de aula

Ficou curioso? Então aperta o play no vídeo que o Filipe e o Henrique fizeram para nos contar como o storytelling* do cinema serve para a nossa sala de aula.

*storytelling: é a capacidade de contar histórias de maneira relevante, onde os recursos audiovisuais são utilizados juntamente com as palavras.

Gostou do conteúdo?

Quer saber mais? Então clica AQUI para ver o vídeo ideal para apoiar sua aula. Nele um grupo de jovens que tem uma agência de autonomia infantil que precisa manter o equilíbrio  entre o mundo da imaginação e o mundo da realidade.​

E a sua aula inesquecível?

Se gostou desse post e quer me contar como foi sua aula inesquecível é só me escrever nesse email: deborahcalacia@eduqa.me

Pode ser uma aula que você participou como aluno ou uma que você lecionou.

O que importa mesmo e compartilhar e registrar!

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

 

 


Comentários no Facebook