Estratégias: Lidando com Comportamentos Difíceis

Estratégias: Lidando com Comportamentos Difíceis

Uma criança se comporta como se comporta porque aprendeu que, ao agir como age, consegue o que quer: a atenção [dos adultos].

(Chamati, A. 2014)

Objetivo:

  • Orientações ao professor de como lidar com comportamento difíceis em sala de aula.
  • Promover habilidades sociais.
  • Desenvolver habilidades e competências emocionais.

Ensinar habilidades sociais

Habilidades sociais são necessárias ao bom convívio com nossos pares. Podem ser introduzidas por meio da contação de história, apresentação de marionetes ou exibição de filmes/ desenhos, que tragam o tema emoções à tona.

Quando uma criança bater, morder, estapear ou esmurrar outra:

  • Reagir com calma, porém expressando a sua desaprovação.
  • Aproveitar para falar sobre como a criança se sentiu, reforçando as emoções e sentimentos: ” Eu sei que você ficou muito bravo com seu colega, mas bater não vai resolver o problema. Você tem que conversar!”
  • Ensinar como expressar a raiva e a frustração usando a fala ao invés da agressão. Por exemplo, ensinar um aluno que bateu no outro por ter sido chamado de gordo e falar: “Fulano, eu não gosto quando você me chama de gordo, isso me deixa muito triste.”
  • Entender o nível de maturidade das crianças e prever certas situações: As crianças entre 2 e 3 anos ainda não conseguem brincar em conjunto, preferem fazer brincadeiras paralelas, uma ao lado das outras, sem interagir diretamente. Quando procuram um colega, e na maioria das vezes, por interesse, desejo de possuir algum brinquedo que o outro tem e tentar tirá-lo. O resultado é, quase sempre, uma briga.
  • Não agrupe ou isole as crianças com problemas comportamentais. Se agrupadas com outras igualmente difíceis, seus problemas serão ampliados e poderão se tornar ainda mais incontroláveis e, se isoladas, seus problemas poderão se intensificar.

Reforce as interações positivas

Sempre que puder reforce as interações positivas que elas tiverem com seus pares, como por exemplo:

  • Brincar de maneira cooperativa, revezando turnos, compartilhando brinquedos, colaborando com brincadeiras de faz de conta e etc…
  • Dialogar respeitosamente, fazendo perguntas e respondendo a solicitações de esclarecimentos;
  • Convidar o coleguinha para brincar;
  • Identificar os próprios sentimentos e os dos outros;
  • Controlar a impulsividade ou as explosões de raiva quando excitadas ou transtornadas;
  • Lidar com frustrações do dia a dia;
  • Conseguir resolver os conflitos de uma maneira positiva.

Registre!

  •  As crianças conseguiram entender o combinado?
  • Quanto a seguir as regras, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Comentários no Facebook