“A maior dificuldade em resolver um problema é lidar com o que nós estamos sentindo em relação ao problema”.

(Tania Paris – presidente da ASEC)

Se crianças pequenas aprendem a lidar com suas emoções, elas serão mais aptas a enfrentar crises na idade adulta (foto: Amigos do Zippy)

Se crianças pequenas aprendem a lidar com suas emoções, elas serão mais aptas a enfrentar crises na idade adulta (foto: Amigos do Zippy)

Imagine chegar em casa e começar a fazer o jantar enquanto seu filho assiste televisão. Vocês conversam – um na cozinha, o outro, na sala, e ambos distraídos com outras tarefas. Até que o assunto começa a ficar mais delicado. O menino, então com sete anos, desliga a TV e caminha até o lado do fogão: “Eu aprendi que, quando estamos falando sério, temos que olhar nos olhos”.

“A mãe fica emocionada ao contar essa história”, diz Tania Paris, presidente da Associação pela Saúde Emocional das Crianças (ASEC), “porque percebe que esse é um aprendizado que muda a relação de toda a família”.

O aprendizado, no caso, foi adquirido através do programa Amigos do Zippy, iniciativa que deu origem à ASEC e que, há dez anos, capacita professores brasileiros para cultivar a inteligência emocional de crianças do primeiro e segundo ano do Ensino Fundamental. Define-se a educação sócio-emocional como a habilidade de identificar e gerenciar emoções, estabelecer relacionamentos saudáveis e contornar comportamentos destrutivos – qualquer ação que a pessoa realize em prejuízo de si mesma.

Confira a nossa matéria sobre Pratique Inteligência Emocional  na Escola.

“Existem muitos programas de prevenção, mas nós trabalhamos com a promoção”, explica Tania. “Por exemplo, ao prevenir uma doença, você procura fatores de risco e trabalha para combatê-los. Mas uma solução mais ampla seria promover a saúde através de hábitos saudáveis, ou fatores de proteção”. Daí a decisão de desenvolver, desde a infância, habilidades que garantam a saúde emocional e mental das crianças. Dessa forma, quando confrontadas com situações difíceis, no futuro, elas terão as ferramentas para buscar soluções por conta própria.

Para isso, as turmas participam de seis módulos:

6 Módulos

#1 Sentimentos:

São analisadas a tristeza, a alegria, a raiva, o ciúme e o nervosismo. Aqui, as crianças praticam falar sobre como se sentem e buscam maneiras de se sentir melhor;

#2 Comunicação:

Ensina a ouvir, pedir ajuda e dizer o que desejam em situações difíceis;

#3 Começando e interrompendo relacionamentos:

Esta é uma aula sobre amizade, em que a turma aprende como fazer e conservar amigos, como lidar com a solidão e a rejeição, e como fazer as pazes após desentendimentos;

#4 Resolução de conflitos:

Aborda, em particular, a questão do bullying (leia mais sobre esse tipo de agressão aqui), como identificar e desconstruir essa violência e com quem conversar ao presenciar uma intimidação;

#5 Lidando com mudanças e perdas:

Cria um espaço para falar sobre morte e separação;

#6 Nós sabemos lidar com dificuldades:

É o módulo final, que reforça os aprendizados obtidos durante os encontros e discute como ajudar os outros e se adaptar à diferentes situações.

Cada tema é tratado de uma forma distinta, que pode ser desde uma dramatização até um desenho, passando por várias discussões entre o grupo. Tania percebe que “as crianças reconhecem o programa como uma aula para brincar. E é fundamental que ele seja muito lúdico”. Geralmente, as temáticas são introduzidas através de uma história em que o personagem experimenta certos desafios. Ao sugerir soluções para o personagem, as crianças estão, paralelamente, descobrindo o que elas poderiam fazer ao se encontrarem naquela mesma situação.

Ao final de um ano de encontros, pais e professores narram uma série de avanços: melhora na leitura e escrita, maior interesse pela escola e vontade de aprender, desenvolvimento da comunicação, expressão de sentimentos e autoconfiança. Tudo isso influencia diretamente no aprendizado cognitivo, ou seja, no desempenho acadêmico dos alunos.

Na história, Zippy é um inseto cujos amigos são crianças. A leitura do livro dá início a um debate e outras atividades lúdicas sobre os desafios que ele enfrenta (foto: Amigos do Zippy)

Na história, Zippy é um inseto cujos amigos são crianças. A leitura do livro dá início a um debate e outras atividades lúdicas sobre os desafios que ele enfrenta (foto: Amigos do Zippy)

Melhora cognitiva

Um estudo americano com 300 mil crianças mostrou que aquelas que estavam inseridas em programas de desenvolvimento de habilidades emocionais apresentaram um rendimento escolar de 11 a 17% superior do que as que não participaram. Outras pesquisas vão mais longe: um projeto da Unesco na América Latina, que abrangeu 54 mil estudantes, concluiu que quem convive harmoniosamente com os colegas pode atingir notas até 46% mais altas do que aqueles que habitam ambientes de conflito.

Esses resultados ressaltam a importância de duas frentes na hora de cultivar a saúde emocional: o desenvolvimento de habilidades e o ambiente de apoio. Não basta, portanto, ensinar a criança sobre respeito e solução de problemas se os locais em que ela transita não forem, também, ambiente seguros, onde ela se sinta ouvida e bem cuidada.

“Quem experimenta com frequência emoções positivas tem mais facilidade para planejar e estabelecer metas a longo prazo. Esses estados positivos preparam para um aprendizado mais rápido e um melhor desempenho intelectual. A isto se somam outros importantes benefícios psicossociais, que permitem que as crianças e os professores convivam em um clima muito mais saudável, com menos agressão e bullying”, disse a educadora e pesquisadora Laura Oros ao portal Terra Educação. Os benefícios permanecem na vida adulta – implicam em vidas profissionais bem sucedidas, casamentos saudáveis e menos propensão à depressão e outras doenças.

Capacitação do professor

O Amigos do Zippy atua principalmente com a capacitação dos professores. Para Tania, “é importante que sejam eles a levar essas lições para a escola porque eles já têm um relacionamento próximo com as crianças e conhecem seu histórico”. Também por esse motivo, os educadores são livres para adaptar os ensinamentos recebidos de acordo com a necessidade dos alunos.

“Modifiquei minha metodologia em sala e sinto que, agora, conheço meus alunos porque ouço o que eles falam. Nós nos acolhemos mutuamente e, principalmente, resolvemos juntos os conflitos. Profissionalmente, me sinto mais madura agora”, diz um dos relatos de professores recolhidos pelo Amigos do Zippy ao final do período letivo. Após um ano de reuniões e acompanhamentos, a diferença mais marcante é a atenção redobrada às necessidades e dificuldades emocionais de cada criança.

Através de atividades, as crianças passam a se expressar com confiança e fortalecem o vínculo com colegas e professores (foto: Amigos do Zippy)

Através de atividades, as crianças passam a se expressar com confiança e fortalecem o vínculo com colegas e professores (foto: Amigos do Zippy)

Sobre o projeto

O Amigos do Zippy começou no final da década de 90, com projetos piloto na Dinamarca e na Lituânia – países que, na época, apresentavam diferenças culturais marcantes, já que o primeiro era bastante liberal enquanto o segundo saía de um regime comunista. Em cada um, 300 crianças fizeram parte das aulas de desenvolvimento emocional, e tiveram seus resultados comparados com 300 crianças que não participaram.

“Os resultados foram muito semelhantes, apesar de as crianças terem características muito distintas”, conta Tania, “por isso, ficou visível que o programa funcionava”. Com base nesses resultados, surgiu a organização Partnership for Children, em Londres, responsável por levar a iniciativa para o resto do mundo.

Hoje, o Amigos do Zippy está em 31 países e em 6 estados brasileiros. Apenas no Brasil, 220 mil crianças de escolas públicas e particulares já passaram pelo projeto. “Não fazemos distinção. Nosso pensamento é que todos são pessoas e todos enfrentam situações ruins. Nossa maior dificuldade em resolver um problema é lidar com o que nós estamos sentindo em relação ao problema”.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME

Não se trata apenas de focalizar no comportamento dos alunos, mas de considerar todos os aspectos do seu desenvolvimento psicossocial, principalmente a família, que é o exemplo central das crianças.

Faça avaliação formativa na Eduqa.me - horizontal

Leia mais:

Amigos do Zippy

Terra Educação

Nova Escola

Globo News (vídeo)


Comentários no Facebook