Muitos professores possuem dúvidas quando se trata em identificar transtornos de aprendizagem. E nada mais natural, não é mesmo? Geralmente a sala de aula está lotada e sempre tem tanta coisa acontecendo que parar e observar uma criança pode parecer uma tarefa simples, a priori, mas que no contexto da sala de aula se torna praticamente impossível lançar e fixar os olhos apenas sobre uma criança.

E diante disso é muito natural que os professores se confundam entre dois conceitos: Transtorno de aprendizagem e dificuldade de aprendizagem.

Então  que tal aprendermos a diferenciar estes conceitos?

O Transtorno de Aprendizagem é…

uma inabilidade específica que vai afetar crianças que apresentam resultados significativamente abaixo do esperado para o seu nível de desenvolvimento.

Vale grifar que: isso não significa que a criança seja incapaz!

A criança com transtorno de aprendizado vai aprender também, todavia para aprendizagem acontecer de maneira significativa é preciso que o diagnóstico correto seja feito e, a partir disso, a aplicação de métodos diferenciados de ensino adequados à singularidade de cada caso.

O transtorno de aprendizagem pode ser específico para uma determinada competência. Seja ela a competência leitora, escrita ou matemática ou pode ser ainda para todas as competências. Nesse caso, estamos falando de um transtorno global de aprendizagem.

A importância do registro escolar

Se observarmos o registro escolar da criança vamos notar que ela sempre esteve em defasagem na aprendizagem de uma ou mais áreas do conhecimento. Inicialmente não há uma causa evidente que justifica e essa defasagem pode ser aprender como uma deficiência intelectual ou sensorial.

A maioria dos transtornos de aprendizagem são identificados quando a criança ingressa na escola, isso porque a criança entra em contato com todas as competências de maneira sistémica e também está interagindo com outras crianças da mesma idade.

A escrita é uma excelente forma de observação, seja para produzir o diário de práticas do professor ou auxiliar mais tarde o professor na hora de criar o portfólio de cada criança. Complementar os registros com fotos e vídeo é melhor ainda para diagnosticar esses casos de transtornos da aprendizagem.

Com os registros  individuais é hora de analisar essa criança e levar esse relatório para um psicopedagogo, por exemplo!

Algumas perguntas mais específicas vai acelerar o diagnóstico e também Na sua semana, mês ou bimestre você consegue mensurar qual área de conhecimento está estimulando mais? Ou melhor… Qual quantidade de tempo você está dedicando para seu projeto? Sabemos que planejar o projeto e depois registrar leva realmente muito trabalho, por isso a Eduqa.me foi construída! Para ajudar a organizar todo esse processo, por exemplo tornando os registros organizados em uma linha do tem em que você consegue visualizar se está estimulando mais matemática, linguagem ou até mesmo o seu projeto, veja:

 

Experimente a Eduqa.me para aperfeiçoar seu trabalho na Educação Infantil, organize seus registros e projetos da maneira mais simples que existe.

A dificuldade de aprendizagem é…

nada mais que o resultado da influência de eventos transitórios na vida da criança. Esses eventos, que antes não existiam, estão interferindo negativamente no ato de aprender.

Esses eventos podem ser de diversas naturezas: mudança de escola, troca de professor, nascimento de um irmão, separação dos pais, perda de uma familiar, falta de sono, problemas de saúde, entre outros.

 

Quer saber mais sobre o assunto?

Acesse Instituto ABCD e aprenda mais sobre o curso de formação “Todos Aprendem”. O curso é para professores e é promovido pelo Instituto ABCD, em parceria como a Seduc – Secretaria de Estado de Educação, por meio do Pacto pela Educação. No curso os professores aprendem a identificar e lidar com alunos que apresentam transtornos de aprendizagem, em especial a dislexia.

Referências:

http://www.institutoabcd.org.br/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Transtornos_de_aprendizagem

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

 

 

 


Comentários no Facebook