IDEIAS PARA CRIAR E EXPLORAR A CRIATIVIDADE NA AULA DE ARTES

Fonte: shoppingpenha

Rotina pedagógica
0 Comments

IDEIAS PARA CRIAR E EXPLORAR A CRIATIVIDADE NA AULA DE ARTES

Por questão de tempo ou criatividade as aulas de artes na Educação Infantil tendem a se acomodar sempre em torno dos mesmos materiais: lápis de cor, tinta guache, giz de cera.

Mas peraí, estamos falando da aula de artes. Ela por si só já deveria ser criativa e explorar vários outros materiais e ideias. Sei que algumas Escolas até exploram e criam e também usam seus espaços, mas sempre tem aquela pulga que fica pulando dizendo que poderia ter sido mais criativo.

A criatividade é um assunto que fascina a todos e é desde sempre um objeto de muitos estudos. Esse potencial criativo é inato em todo ser humano, porém ele se ensina e se aprende.

Leia Como anda a criatividade dos seus alunos?

Criatividade serve para que?

O que acontece é que a criatividade é uma competência pessoal super valorizada, mas ao mesmo tempo desprestigiada, pois percebemos que é difícil mensurar qual professor é mais criativo que outro.

Se houver apoio da escola, entretanto, esse é um ponto que pode ser um super diferencial na Educação Infantil. Para os pequenos esta é a idade ideal para introduzir novas formas de se fazer arte, outras texturas e técnicas para pintar.

Algumas opções são: pintar com esponjas ao invés de pincéis, usar aquarela, carvão ou cola nos projetos, trazer argila e massa de modelar para a sala de aula, usar algodão, areia, papéis variados, sementes, etc., para dar textura.

Fizemos um parceria com a Papel Toys só para aumentar o seu potencial criativo na Escola.

Veja algumas ideias e dicas de matérias:

Argila

Fonte: shoppingpenha

Atividade 1- Desenhando com argila

Você vai precisar de: placas de madeira, argila, água, cadeiras e mesas.

Peça para que as crianças manuseiem a argila espalhando na placa de madeira para criar um quadro de desenho.

Instigue:

O que é argila? Para que serve?

Qual sua utilidade?

Como é experimentar a textura da argila com os dedos?

É mais fácil desenhar na folha de papel, na parede, no pano ou na argila?  

Existe alguma sensação que está acontecendo no seu corpinho?

Você pode encontrar vários tipos de argila na Papel Toys:

Fonte: Papel Toys

Veja a atividade completa no Baú de Atividade Eduqa.me e aproveite para copiar em seu planejamento já experimentando um novo jeito de criar.

Como mexer com argila é uma delícia, você também pode fazer outra aula criando esculturas e pintando os quadros depois que a argila secar, é só pintar os objetos montados com tinta guache.

Mais importante que a aula em si é o diálogo no desenrolar desta proposta. E as perguntas que o professor faz auxiliando o desenvolvimento da criança e registrando as atribuições de sentido às produções das crianças.

Livro Reciclável

Fonte: ominho

É possível que um livro pode ser escrito e rescrito diversas vezes?

Em caso de os alunos responderem de forma afirmativa, pergunte como isso é possível?

Instigue:

O que você desenharia em um livro? 

Qual seria a história da sua vida?

Um livro tem começo meio e fim?

Qual livro você mais gosta?

Peça que os alunos em grupos desenvolvam um livro-objeto ou um Livro de artista. A nossa sugestão é para que você forme duplas e as crianças precisam escolher o tema e depois pintar o livro contando uma história com início, meio e fim.

Fonte: Papel Toys

Você pode encontrar esses e outros materia bem legais na Papel Toys e não se esqueça de registrar com fotos e vídeos que inclua as considerações das crianças.

Avalie o desenvolvimento do projeto do início ao fim e escreva por aluno qual foi a dedicação e envolvimento do grupo no trabalho e a relação com a arte e os colegas paara a exposição coletiva.

Experimente a Eduqa.me para aperfeiçoar seu trabalho na Educação Infantil, organize seus registros e projetos da maneira mais simples que existe.

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

 

Atividade: Semáforo dos combinados

Fonte: Google

Atividades/Relatórios/Socioemocional
0 Comments

Atividade: Semáforo dos combinados

Baseado em o guia prático para professores de Educação Infantil.

Material

cartolina, canetas hidrocor, tinta ou giz de cera nas cores vermelha e verde.

Faixa Etária

4 a 5 anos

Descrição

Com os alunos sentados em roda, cada um é orientado a falar o que acha que deve ser permitido ou não na escola, enquanto a professora faz o papel de mediadora da discussão.

Após a conversa, a professora desenha um semáforo na cartolina, acrescentando:

No sinal verde: o que é permitido.

No sinal vermelho: o que é proibido.

Depois disso, o cartaz deve ser preso na parede da sala para que todos vejam no dia- a-dia.

Registre!

  •  As crianças conseguiram entender o semnáforo?
  • Quanto a seguir as regras, funcionou? Onde emperrou?
  • Houve algum comportamento marcante, bom ou ruim?

Tire fotos do material produzido ou, ainda, filme. Isso enriquecerá o portfólio delas e será uma ferramenta útil para a avaliação!

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

Tipos e Objetivos de Brincadeira por Idade

Fonte: apostila PPI

Atividades/Registros
0 Comments

Tipos e Objetivos de Brincadeira por Idade

A importância do brinquedo para o desenvolvimento da criança é fato. Longe de ser um objeto qualquer para ocupar as crianças nos seus momentos livres, os brinquedos são fundamentais para o estabelecimento de relações de simbólicas e de constituição da personalidade, além de poderem ser mediadores de funções pedagógicas.

Daí a necessidade de que a escolha do brinquedo, pelo adulto, seja criteriosa e leve em conta, além de aspectos ligados à segurança e ao interesse da criança, a faixa etária de quem irá brincar com ele.

A apresentação das brincadeiras (em escolas, creches, em casa) às crianças de diferentes idades e a aprendizagem dessas brincadeiras, do mesmo modo, também dever ser estabelecida a partir de um critério mediado por adultos.

Afinal, algumas brincadeiras exigirão das crianças habilidades específicas, só adquiridas

Os ambientes fechados devem ter estimulos adequados, sem exageros visuais e com mobiliários adequados, levando em conta as faixas etárias.

Ao ar livre as atividades devem acontecer nos horários de sol saudável. Deve ser observado se a areia é tratada e se não há objetos como lascas, pregos, vidros e outros objetos perigosos.

É muito importante utilizarmos a brincadeira não como o único recurso para estimular o aprendizado, mas como mais um, entre outros, como as artes, o movimento e a música. Para tanto, devemos considerar que: brincar deve acontecer num espaço seguro, sempre com um adulto por perto.

Espaços Lúdicos:

  •  A brinquedoteca
  • O cantinho da leitura
  • A sala de música
  • A hora do lanche

Além de tudo isso, brincar é bom demais, não é mesmo? Há algo mais agradável do que o sorriso de prazer de uma criança que está se divertindo?

 

Gostou?

Então não deixe de acompanhar o nosso blog e curtir nossa página no facebook.

Texto elaborado a partir do material produzido pelo Projeto Pela Primeira Infância. Clique e conheça mais sobre o Projeto Pela Primeira Infância– Programa de Formação em Desenvolvimento Cognitivo Infantil com base nas Neurociências, para profissionais da Educação Infantil

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

OBSERVAR, REGISTRAR E A REFLETIR: DOCUMENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Fonte: Disney Babel

Rotina pedagógica
0 Comments

OBSERVAR, REGISTRAR E A REFLETIR: DOCUMENTAÇÃO PEDAGÓGICA

A principal prática do professor em sala é registrar. Mas para que ele faça essa prática há um trabalho imenso por trás.

Previa da sala de aula

Anteriormente é preciso que ele faça o planejamento. Crie ou se inspire em atividades com objetivos e estratégias para desenvolver as ações educativas dentro da Escola.

A documentação pedagógica, neste contexto, configura-se a estratégia de investigação que dá voz à infância. Possibilita a visualização dos processos de construção da aprendizagem, das experiências individuais e de grupo, por meio da observação e registros constantes da prática em sala de aula.

A atividade de documentar as ações educativas dá suporte e organiza a prática, de modo a suprir as necessidades do professor de tornar possível o diálogo entre a teoria e a prática, humanizar a aprendizagem, compreender melhor a cultura da infância, tornando o conhecimento significativo para os alunos.

A documentação pedagógica é elaborada das informações registradas com intuito de instigar e provocar o educador. Fotos, filmes, gravações, desenhos… Conteúdos que tornam evidente a aprendizagem.

Mas, como pensar esse documento?

 

Como comunicar? Para quem comunicar? Como estabelecer o diálogo entre a teoria e a prática? Como pode favorecer a aprendizagem da criança e a organização do ensino?

Essas e outras perguntas você deve se fazer antes de anotar por anotar.

Tudo que for escrito, registrado, catalogado, deve ter um porque.

Para te ajudar nessa tarefa a Eduqa.me criou ou área de planejamento que te pergunta passo a passo as informações da sua aula.

Veja na imagem abaixo:

Ao preencher essas informações você já está planejando e organizando seu pensamento.

Depois de criar a aula é hora de ir para a sala de aula e observar.

Veja como fica sua atividade na linha do tempo e como e como, com apenas um clique, você adiciona o registro:

Gostou?

Quer saber mais sobre esse tema? Clique conheça mais sobre a Eduqa.me.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

Fonte: Standard Forsuccess

Relatórios/Rotina pedagógica
0 Comments

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

Em posts anteriores, trabalhamos assuntos e tópicos importantes para a prática do professor.

Falamos sobre a importância da observação, do registro, da reflexão e em alguns momentos abordamos a avaliação, mas não com a atenção que se deve.

Em todos os segmentos que compõem a escola, a avaliação se faz presente. É a partir dela que as transformações dentro da Instituição acontece de maneira a garantir uma aprendizagem cada vez mais significativa.

Leia mais em: 5 Passos para uma avaliação formativa de qualidade.

Toda avaliação deve considerar o processo de ensino e aprendizagem ocorrido, as estratégias e as situações utilizadas em sala de aula para contemplar tal processo.

A Prática Avaliativa

A organização de uma reunião de pais, relatórios e portfólios, são importantes ferramentas avaliativas, que vão além da preocupação com pauta e produção de texto.

Educadores, crianças e familiares são fundamentais para que a escola seja transformada numa comunidade de aprendizagem onde todos pensam, planejam, avaliam suas ações e seus trabalhos.

Portfólios, dossiês, relatórios de avaliação, todas essas nomenclaturas se referem à organização de registros sobre aprendizagem do aluno que ajuda o educador, as próprias crianças e as famílias para poder ter uma visão evolutiva do processo e da evolução da criança.

O mais importante no processo de avaliação é o registro, pois é por meio dele que o educador coleta informações dia após dia. Essa constância do registro possibilita ao professor e ao aluno uma panorâmica dos passos percorridos na construção da aprendizagem.

A forma de registrar diariamente o caminhar da criança tem como objetivo mostrar a importância da aula planejada e das atividades escolhidas.

Não importa a ferramenta que você escolhe para fazer o registro, o que importa mesmo é que esse procedimento seja feito pautado no desenvolvimento holístico da criança.

Quando o registro é feito com esse olhar ficar fácil identificar qual aluno está com desempenho defasado, qual aluno precisa ser mais estimulado e qual precisa de atenção especial para desenvolver suas dificuldades.

Como vocês podem ver, é a partir de uma documentação pedagógica bem feita e uma prática refletida na criança e não em processos administrativos que as soluções ou sugestões sobre o processo de aprendizagem farão sentido.

Como fazer bom uso dessa prática?

O educador que tiver cadencia e coerência nos registros pedagógicos terá claro que a avaliação será para melhorar e propiciar avanços no trabalho e no desenvolvimento infantil e não apenas para cumprir protocolos burocráticos.

Para explorar ainda mais esse assunto selecionamos alguns materiais para que você baixe e faça bom uso dessas práticas.

Como preparar roteiros e pautas?

Leia mais em: 7 Dicas para organizar seus roteiros sem perder tempo

O que avaliar e de que maneira? 

Baixe nosso ebook em: Tudo que você precisa saber para avaliar registros pedagógicos na Educação Infantil

Na Eduqa.me é possível fazer seu planejamento semanal e também planejar projetos. Legal, não é?

Agora que você já leu todo esse material sobre avaliação, que tal se inspirar e compartilhar as ferramentas que vocês mais usam para avaliação?

Escreva um email para deborahcalacia@eduqa.me.

Clique aqui e teste grátis!

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

A Matemática na Educação Infantil
Atividades/Matemática/Carreira/Formação/Desenvolvimento Infantil/Desenvolvimento cognitivo/Materiais para Download/Relatórios
0 Comments

A Matemática na Educação Infantil

 

A matemática está presente em nossa vida há muitos e muitos anos. Os mais antigos registros matemáticos de que se tem conhecimento datam de 2400 a.C.
Progressivamente, fomos evoluindo com a contagem,  medida de comprimentos e de áreas e outras novas invenções que foram afinadas e teorizadas criando conceitos cada vez mais perfeitos.

Se pararmos para pensar, tudo gira em torno de números, não é mesmo?

Os ponteiros, os quilômetros, os reais, a quantidade de amigos, as colheres de chocolate que vai no brigadeiro, o número de árvores plantadas, a quantidade de estrelas, as velinhas nos aniversários, a noção do tempo e espaço e por aí vai… A matemática sempre desempenhou um papel único no desenvolvimento das sociedades. E é na Educação Infantil  que recebemos a base para aprendermos sobre o raciocínio lógico, a noção espacial, a bilateralidade, os números cardinais e outras ações aplicadas a rotina diária infantil.

 

Aproveitar esses itens da rotina diária infantil para facilitar o aprendizado dos alunos é o que a Mathema faz. Nesse vídeo a Doutora em Educação pela USP, Kátia Stocco Smole, mostra diferentes formas de linguagens expressivas e comunicativas para acompanhar a matemática.
Veja aqui a importância de transformar problemas em soluções e desmistificar a Matemática na Educação de base.

 

O Grupo Mathema é uma instituição que há 20 anos pesquisa e desenvolve métodos pedagógicos inovadores para melhorar a qualidade do ensino da matemática. Ao longo da sua história, o Mathema tem compartilhado conhecimento com mais de 40 mil educadores que participaram das formações, impactando cerca de 1,2 milhão de alunos. A capacidade de resolver problemas e pensar criticamente são marcas essenciais da aprendizagem.

Clique aqui e assista às produções audiovisuais dos projetos e de ações desenvolvidas em parceria com importantes instituições. Aproveite e acesse agora 05 palestras exclusivas:

 

Nesse link você vai assistir: 
1- O que define um currículo de qualidade?

2- A matemática na educação infantil – pressupostos para o trabalho docente

3- Números e Operações: Jogos e Etnomatemática

4- Números e Operações – Língua Portuguesa e Estratégias Pessoais

5- Mathema | Diálogos sobre Educação

 

E se você não sabe em que lugar encontrar atividades para Educação Infantil, saiba que no Baú de atividades da Eduqa.me existem muitas, muitas atividades de linguagem, motricidade, artes e claro matemática! Clica que aqui e conheça o Baú de atividades da Eduqa.me

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

 

 

3 Atividades horripilantemente criativas para o Halloween
Atividades/Carreira
0 Comments

3 Atividades horripilantemente criativas para o Halloween

dia das bruxas na escolaBuuuh!

Dia das Bruxas, ou Halloween vem chegando por aí…

Para assustar um pouquinho as Escolas, que tal uma seleção de atividades horripilantemente criativas para que o professor solte suas bruxas na Eduqa.me?

Então vamos lá…

Temos 3 atividades que trabalham diferentes objetivos, abordagens e metodologias.

Atividade 1 O DIA DAS BRUXAS | DESENHO ANIMADO

Caillou Feliz dia das Bruxas

Caillou é um menino de 4 quatro anos que tem muita imaginação. Em cada episódio ele vive as maravilhas de ser criança.

Como desenvolver a atividade?

Materiais Necessários: Tapetes, almofadas e uma TV ou Tablet

Caillou em Feliz dia das Bruxas

Iniciando este momento, o professor deverá convidar as crianças para assistirem ao episódio, para isso, é necessário um espaço aconchegante em que elas possam se acomodar e curtir a história.

Antes de começar a atividade os professores podem apagar a luz, fazer uma introdução e contar para as crianças a proposta da atividade. Criando um ambiente de suspense e curiosidade, já que, depois da atividade o professor irá propor que as crianças criem uma festa de halloween.

Com o término do vídeo, o professor irá conversar com a turma sobre a história, procurando perceber as impressões que as crianças tiveram sobre o enredo e, principalmente, sobre as interpretações.

Em seguida, a conversa pode ser orientada…

Ver atividade no Baú Eduqa.me

Objetivos: 

  • Desenvolver a imaginação por meio das histórias;
  • Ampliar gradativamente as possibilidades de comunicação, por meio do vocabulário do desenho animado;
  •  Familiarizar-se com a função social de cada personagem por meio do registro das falas das crianças.

Atividade 2 TODAS AS BRUXAS SÃO MÁS?

bruxa brua venha minha festa

Como desenvolver a atividade?

Materiais Necessários: Tapetes, almofadas, papel A3, lápis de cor, giz de cera e canetinha e o  Livro: Bruxa Bruxa venha a minha festa

Uma Bruxinha irá aparecer para as crianças e vai contar uma história. Essa história deve ser envolvente e…

Neste momento, é importante que os professores possam ouvir as crianças que desejam compartilhar suas opiniões sobre o vivido e questioná-las da seguinte forma: Se nós tivéssemos poderes como as bruxas e os bruxos, o que poderíamos transformar? Poderíamos transformar coisas ruins em boas?

Ver atividade no Baú Eduqa.me

Objetivo: 

  • Desenvolver o pensamento crítico
  • Desenvolver habilidades socioemocionais

Sugestão 3 VAMOS FAZER BRUXARIAS?

bruxinha

Como desenvolver a atividade?

Os professores irão confeccionar, com os dois grupos subdivididos, alguns chapéus de bruxa para a brincadeira. O espaço deve ser organizado com antecedência, devendo ser amplo a fim de proporcionar a livre circulação das crianças e dos professores durante as brincadeiras.

Objetivo: 

  • Ampliar o repertório de brincadeiras
  • Desenvolver a coordenação motora

Você pode encontrar essas 3 atividades e muitas outras no Baú de Atividades Eduqa.me . Não perca tempo e faça seu cadastro para compartilhar estas e outras atividades com os professores do Brasil inteiro.

Mais recursos

Pocoyo: Especial dia das bruxas

Turma da Mônica: Bruxaria no aniversário

 Texto: Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.
4 Atividades juninas para o desenvolvimento infantil
Atividades/Relatórios
0 Comments

4 Atividades juninas para o desenvolvimento infantil

 O dia a dia da escola é sempre repleto de muitos afazeres, não é verdade?

Existe um planejamento a ser cumprido e a boa administração das atividades gasta um tempo absurdo do professor para garantir que tudo caminhe bem.

Na época das festas comemorativas há mais trabalho ainda a fazer e se o professor não se organizar pode perder um tempo importante de trabalho com os seus alunos. Por isso, aproveitar o clima lúdico e de brincadeira para desenvolver a aprendizagem da criança é uma boa estratégia para aproveitar esse tempo de organização em tempo de aprendizagem também.

Os jogos tradicionais de festa junina são ótimos recursos para o professor trabalhar os conteúdos pedagógicos a serem desenvolvidos durante o ano, como conceitos da matemática, linguagem oral e escrita, música, movimento, arte e expressões, etc… Já vimos que conteúdos não faltam o que precisaremos é exercitar a nossa criatividade, e se tem um profissional que é um criador nato, este, é o professor.

Dentro de sala de aula, na hora do recreio e também em casa.

Além de pensar nestes jogos da forma tradicional da qual são propostos e temos acesso apenas nas festas juninas, vamos sugerir mais algumas maneiras divertidas de aprender e brincar em diferentes ambientes.

A grande maioria dos jogos convencionais de festa junina, possibilita que a criança desenvolva a coordenação motora fina e grossa, noção de força e lateralidade, equilíbrio, interação social, saber perder e vencer, enfim, habilidades necessárias para serem desenvolvidas e aprimoradas na educação infantil.

As dicas sugeridas abaixo estão organizadas para que a criança seja a grande protagonista de sua aprendizagem e possa participar da construção dos seus jogos e materiais para utiliza-los além da escola.

bandeiras- bandeirinhas-bandeirolas-chita

Fonte: Pinterest

4 Atividades juninas para fomentar o desenvolvimento infantil:

#1 Pescaria:

Dentro de sala de aula, esta brincadeira também pode ser feita, transformando-a num outro jogo, como por exemplo, num jogo da memória com conceitos de número e quantidade.
Explore ao máximo as possibilidades que tiver: fale sobre peixe, onde ele vive, a pesca, a importância de ser consumido como alimento para o ser humano, envolva a culinária, música, cores, utilize diferentes materiais para a construção do jogo, para dar acesso as crianças com alguma deficiência ou dificuldade de aprendizagem, enfim, proporcione uma vivência significativa.

#Dica: para as crianças com paralisia cerebral e outras deficiências que necessitam de mais apoio, use materiais com maior durabilidade, ou seja, o papelão, o EVA, assim, elas podem brincar e não ficaram chateadas por terem estragado os próprios jogos.

Outra atividade bem curiosa, ainda com o tema da pescaria, é trazer um peixe de verdade para a escola e fazer uma espécie de observatório de arte. O professor, antes de mostrar o peixe as crianças, pede para que elas desenhem um peixe da maneira que elas souberem, e depois disso feito, é apresentado o peixe real para que elas possam explorar, tocar, cheirar e observar bem detalhadamente para que um novo desenho seja feito. As crianças costumam gostar muito desta atividade. Aqui o professor trabalha a atenção, concentração, a expressão da criança ao demonstrar o conhecimento que tem sobre um determinado objeto, coordenação visomotora, coordenação motora fina, estimulação sensorial, observação, planejamento, artes, ciências naturais e outros conteúdos que ele tiver tempo de aprofundar. Sugere-se depois que seja feita uma exposição dos desenhos comparando o antes e o depois, além de um debate com as próprias crianças para falar dos detalhes e diferenças entre os desenhos.

Observação: para crianças que não sabem desenhar, ofereça figuras, ou mesmo as partes do peixe impressas para que possam montar; além de diversos materiais como a massinha, argila, reciclados, para que todas tenham acesso a atividade.

#2 Lata:

O jogo da lata também pode ser bem divertido e trabalhar com conteúdos distintos: ora a matemática, ora a alfabetização, ora os dois.

Para construir este jogo, peça para as crianças trazerem de casa, aquelas latas de molho de tomate com tampa. Cole pelo lado de fora os números, como no jogo convencional, mas dentro da lata, coloque alguns desafios. Veja alguns exemplos:

*Se o objetivo for trabalhar conteúdos da matemática, como a noção de número – quantidade, o professor deverá disponibilizar palitos, material dourado, entre outras coisas. Começa-se o jogo e ao atirar a bola, as latas que caírem serão o desafio daquele grupo. As crianças, com o material disponível devem colocar dentro das latas a quantidade de palitos (ou outro material) correspondente ao número que estiver na lata. Vence o grupo que fizer a correspondência correta.

*Ainda na matemática, podemos trabalhar com formas geométricas. Coloque dentro das latas cartões com uma figura geométrica. O processo é o mesmo, as latas que caírem devem ser abertas para o grupo visualizar a figura que tiver dentro. O desafio será encontrar dentro de sala de aula, objetos com a mesma forma na quantidade estabelecida pela lata.

Ex: lata número 2 com um triângulo dentro, o desafio é encontrar 3 objetos na sala de aula com forma de triângulo.

*Na alfabetização, existe também muitas possibilidades seguindo esta estrutura da brincadeira. O professor pode optar por trabalhar com as vogais e colocar estas letras dentro de cada lata (terá que repetir as letras devido a quantidade de latas). O desafio será encontrar objetos que comecem com a letra indicada. Em todas estas sugestões as crianças poderão fazer registros escritos.

#3 Tiro ao alvo:

No tiro ao alvo temos muitos conteúdos que podem ser trabalhados: a arte, o desenho, classificar e comparar números como maior, menor ou igual, coordenação motora, lateralidade, estimulação sensorial, formas geométricas, cores, etc.

#4 Boca do palhaço:

Com esta brincadeira o professor pode aproveitar para falar sobre alimentação saudável e substituir as bolas por brinquedos em forma de comida. Faça uma discussão sobre este assunto, converse com as crianças sobre o que elas comem e mais gostam de comer, prepare uma receita, cante uma música.

Faça também uma boca do palhaço diferente para explorar os sentidos, a criatividade e a imaginação.

Todo evento comemorativo pode oportunizar a possibilidade de desenvolver temáticas muito interessantes.

Não se atenha apenas a elaboração das festas, mas sim, ao rico conteúdo que está por trás dela e não se esqueça de criar os relatórios de desenvolvimento infantil individual.

Você pode fazer isso acessando a Eduqa.me.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR Crie relatórios de desenvolvimento na Eduqa.me - horizontalA PLATAFORMA EDUQA.ME 

Bom trabalho e ótimo arraial!

E não deixe de ler  “o brincar para todos nas festas juninas” e aprofundar um pouco mais as suas reflexões.

 


Texto: Luciana Fernandes Duque para a Eduqa.me. Luciana é doutoranda em Educação Especial – Faculdade de Motricidade Humana pela Universidade de Lisboa – Portugal, Mestre em Educação – Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Psicopedagoga Clínica e Pedagoga com vasta experiência Educação Inclusiva. É autora de dois livros, um sobre inclusão escolar e outro sobre relação professor aluno.

Tudo sobre a FESTA JUNINA!

Festa Junina Significado e Símbolismo

Semanários
0 Comments

Tudo sobre a FESTA JUNINA!

Você já parou para se perguntar como surgiu a Festa Junina e quais são seus significados e simbolismos?

Nesse post você irá conhecer tudo a respeito dessa festa especial do mês de Junho. Com essas informações poderemos embasar e trabalhar a cultura, dança, comidas e as brincadeiras de um jeito mais pedagógico na escola.

Vamos compreender o que, de fato, as crianças podem aprender com essa festa e como podemos explorar cada vez mais esse tema e potencializar o aprendizado dos pequenos.

Vamos lá?

Como  surgiu a Festa Junina?

A festa junina é uma comemoração que acontece no Brasil desde o Brasil Colônia. A história nos conta que essa festa chegou por aqui pelos europeus e a ideia inicial  era reproduzir uma comemoração que já existia em diversos países da Europa.

Qual a origem do nome?

Na Europa a festa se chama Midsummer¹.  No Brasil há duas hipóteses para o nome Junino:
A primeira é que o  nome é oriundo do mês, Junho, que é o mês que a festa é comemorada. A segunda hipótese diz que junino veio de joanino que fazia referencia ao Santo homenageado – São João.

1- celebração do meio do verão

Brasil – Terra de todos os Santos

Embora predominantemente influenciada por portugueses outros povos europeus, como franceses e espanhóis, também contribuíram para essa festa. E claro que os povos africanos e indígenas não ficaram de fora da roda! Cada um colaborou com seus costumes e comidas. Esse mix cultural acabou transformando e resignificando a festa junina brasileira nesse evento tão singular que é hoje.

O espaço da festa

Arraial ou arraiá é o local onde a festa Junina acontece.  Geralmente é um espaço amplo, ao ar livre e com barracas delimitando um espaço circular.

A Decoração

As famosas  banderinhas de papel colorido que hoje são espalhadas por todo o arraial, antigamente eram apenas três grandes bandeiras que estampavam os rostos dos santos. 

Hoje além da abundância das  bandeirolas enfileiradas e espalhadas como varais, os balões de papel e os fitilhos também marcam presença e dão o tom colorido e divertido da festa. As barraquinhas armadas, justamente para esse evento, são feitas, na maioria dos casos, por madeirites ou bambus.  

Já a cobertura fica por conta das palhas secas dos coqueiros, lonas ou de um tecido chamado chita.

A Fogueira

Sabia que cada santo junino tem um tipo de fogueira diferente?

Pois é.. a mais comum é a quadrada que é a de Santo Antonio. Há também a redonda que representa São João e a triangular de São Pedro. A fogueira é um símbolo purificador nas culturas agrárias e é acesa para afastar os maus espíritos e  manifestar a gratidão pela fertilização da terra e das fartas colheitas. Também serve para aquecer e unir as pessoas ao seu redor para brincadeiras, conversas e até para compartilhar alimentos assados na brasa.

Fonte: Google

Fonte: Google

A Música

A música e os instrumentos usados, como a sanfona, triângulo, reco-reco, estão na base da música popular folclórica portuguesa e foram trazidos ao Brasil lá no início. O Brasileiro, com sua criatividade, foi incrementando e somando novos instrumentos e ritmos.

Separamos uma lista de músicas para você aqui, mas você só consegue acessar se estiver conectada com a internet e usando e ou usando o spotify.

As Comidas Típicas

As comidas da Festa junina estão relacionadas, principalmente, à cultura campestre. Boa parte das comidas são feitas de grãos e raízes.

Já contou quantas delícias fazemos com esses ingredientes? Podemos fazer muitos pratos juninos como milho, arroz, amendoim, batata-doce e mandioca e etc… 

Fonte: Google

Fonte: Google

A Quadrilha

Essa atividade lúdica, teatral e festiva é um dos momentos mais aguardados da festa junina. A preparação é feita semanas antes e é o momento em que todos participam. Essa dança, que originou de uma dança de salão francesa, também é uma forma de agradecimento pela boa colheita.

Fonte: Google

Fonte: Google

Figuras da Sociedade rural

O padre, o noivo, a noiva, pais do noivo, pais da noiva, madrinhas, padrinhos, delegado, sacristão, entre outros são essenciais para movimentar essa festa.

As Brincadeiras

Sabemos que é nas brincadeiras que os pequenos aprendem e crescem. Por isso, para garantir o aprendizado e o sucesso do arraial as brincadeiras merecem ser diversas e divertidas. Os leilões, bingos, casamento, correio elegante, pau de sebo, simpatias, corrida do saco, pescaria e outras são algumas das mais tradicionais, mas não deixe de explorar algumas brincadeiras regionais e deixar espaço para as crianças criarem suas próprias brincadeiras.  O mais importante dessa festa é mesmo se divertir e difundir esta cultura brasileira que é tão rica.

No próximo post falaremos desse assunto na prática: Como aproveitar os jogos da festa Junina para o desenvolvimento e aprendizagem?

Aproveita para divulgar as fotos da festinha junina da sua Escola e marcar a gente com a Hashtag #FestaJuninaNaEscola

Agora que você sabe tudo sobre a festa junina, que tal entrar na Eduqa.me para fazer seu planejamento digital?

Legal, né?

Então que tal clicar AQUI e começar a fazer seus semanários na plataforma Eduqa.me? Tenha mais facilidade e dê visibilidade ao trabalho que faz em sala para que a coordenação pedagógica tome decisões pautadas em dados e fatos.

CLIQUE AQUI PARA TESTAR AGORA A PLATAFORMA EDUQA.ME 

Registre atividades na Eduqa.me - horizontal

 

Deborah Calácia para a Eduqa.me. Deborah é linguista e especialista em tecnologia e educação – Universidade de Brasília.

7 atividades para acalmar, criar vínculo e exercitar a concentração das crianças
Desenvolvimento Infantil/Socioemocional/Rotina pedagógica/Semanários
0 Comments

7 atividades para acalmar, criar vínculo e exercitar a concentração das crianças

Todas as crianças, independente de apresentarem necessidades educativas especiais (NEE) ou não, precisam sentir-se seguras, confiantes e concentradas para que a aprendizagem aconteça. Assim, segue uma sessão com 7 atividades que te ajudarão a criar vínculos, acalmar e exercitar a concentração das crianças em sala de aula.

CRIAR VÍNCULOS

CRIAR VÍNCULOS

Aprender requer confiança e segurança! (foto: getty images)

Aprender requer confiança e segurança!

O professor desempenha um papel muito importante além de ensinar os conteúdos. É nele que o aluno investe a maior parte da sua confiança. O professor é quem acolhe o aluno nos seus primeiros desafios na escola, como o medo e a insegurança no período de adaptação; é ele quem faz a gestão do grupo em sala; enfim, é a partir da construção de um vínculo saudável entre professor-aluno que a aprendizagem vai se desenvolver de forma segura e com mais confiança, motivando sempre a criança a demonstrar o que sabe sem medo ou vergonha de errar. Veja algumas atividades que podem ajudar nesta questão:

1. ESTEJA JUNTO COM OS ALUNOS:  Estar próximo dos alunos é uma boa maneira de criar vínculos, e na educação infantil, a melhor forma de fazer isso é brincar ou jogar com as crianças. Tente brincar com todos os alunos individualmente, mesmo que isto te custe um tempo, é um tempo que vale a pena investir.  As brincadeiras de faz de conta e os jogos de tabuleiro ou da memória são boas opções. No caso de crianças com NEE como o autismo, observe a atividade que ela gosta de fazer e faça junto e não tente guiar ou direcionar, apenas siga a criança.

Esse conteúdo é restrito para assinantes!
Faça sua assinatura aqui e tenha acesso livre.

[ms-protect-content id=”6785″] [ms-protect-content id=”6759″]

 

 

 

 

 

 

2. ATIVIDADES COM DESENHOS: Crianças geralmente adoram desenhar, por isso, pedir que elas façam um desenho daquilo que mais gostam é um bom exercício. As crianças podem desenhar coisas que gostem de brincar, de comer, de fazer, enfim, deixe-as livres para realmente expressar esta particularidade. Os desenhos podem acontecer de formas diferentes, ou seja, se você tiver um aluno que não sabe usar ainda os traçados para se expressar, solicite que ele recorte de uma revista imagens que represente a solicitação da tarefa. Após todos terem terminado os seus desenhos, faça uma roda de conversa para falarem a respeito disso. Surpreenda as crianças com um desenho seu também! Será muito interessante para elas saberem do que o professor mais gosta. Isso aproxima o professor do aluno e permite com que todos se respeitem e se conheçam melhor.

ACALMAR A CRIANÇA

acalmar criança

Aprender precisa ser divertido, mas necessita de tranquilidade e organização!

Aprender precisa ser divertido, mas necessita de tranquilidade e organização!

Quando me refiro a organização não estou a falar apenas do ambiente de aprendizagem, mas também de uma organização interna do próprio aluno. Há crianças que são agitadas por terem de fato um quadro de TDAH; mas, há crianças que são agitadas por viverem em ambientes desorganizados, imprevisíveis e sem rotina; ou ainda, crianças que se atrasam para chegar a aula e não conseguiram tomar café da manhã. Enfim; por mais diferentes que sejam os motivos e independente de suas causas, esta agitação interna não permite que a criança se acalme para prestar atenção no professor e nas atividades que deverá executar. Assim, o professor tem mais um desafio em sala de aula que é tentar acalmar seus alunos, para que assim possam entrar em contato com as propostas de aprendizagem de forma mais tranquila e divertida. Dicas de atividades para acalmar os alunos:

3. TÉCNICAS DE RELAXAMENTO COM MÚSICA: incentivar a criatividade das crianças é uma tarefa constante dos educadores. Você sabia que atividades de relaxamento são ótimos recursos para isso? Antes de iniciar suas atividades, escolha um tema que combine com a sua turma e defina uma música (músicas com sons da natureza, músicas instrumentais clássicas ou até de melodias conhecidas pelas crianças, mas que sejam apenas tocadas e não cantadas, para não interferir na atenção).

Explique para os alunos que farão uma viagem, e para isso devem ficar com os olhos fechados. Se possível, diminua a luminosidade da sala, e se tiver lenços ou vendas utilize nas crianças já que elas comumente possuem dificuldades para fechar os olhos por conta própria. Quando tudo estiver preparado, solte a música de fundo e inicie bem calmamente uma história. 10 ou 15 minutos, se conseguir, são suficientes para acalmar a turma.

Antes de iniciar a sua história, faça um aquecimento, peça para que eles pensem nas partes de seu corpo:  onde está a sua cabeça, olhos, orelhas, boca até chegar aos dedinhos dos pés, sem mexer ou tocar, apenas devem mentalizar o que o professor disser. Inicie a história e sempre use falas para que eles consigam se transportar para o mundo da imaginação. Exemplo: […] agora começou a chover e vocês entraram num castelo […] pensem no que tinha dentro deste castelo?  Lá estava bem quente e aconchegante…

Outra dica: dependendo da sua disponibilidade de tempo e de materiais, combine elementos sensoriais ao longo da história. Use texturas, aromas e a sua criatividade.

4. ARGILA, MASSA DE MODELAR OU MASSA CASEIRA: as atividades de modelagem são geralmente, atividades que promovem a descontração e o relaxamento; por isso, nas intervenções psicopedagógicas são bastante usadas com crianças muito agitadas ou mesmo agressivas.

A modelagem favorece o jogo simbólico, pois as crianças dão significados às formas que constroem e podem modifica-las ao tempo que quiserem. A argila e as massas de modelar proporcionam um contato ativo com os sentidos, desenvolvendo a coordenação e a percepção; questões extremamente importantes para o desenvolvimento. Proponha o uso das massas ou argila de forma criativa. Desenhe com macarrão, use lantejoulas ou outros objetos decorativos para enfeitar suas peças. Aproveite a combinação das massas com elementos da natureza (galhos, pedrinhas, folhas). Utilize carimbos. Se quiser, também pode colocar uma música de fundo para inspirar as crianças. Crie e invente!

EXERCITAR A CONCENTRAÇÃO

CONCENTRAcao

Para aprender é preciso atenção e concentração. (foto: google)

Para aprender é preciso atenção e concentração.

Atenção e concentração são duas funções cognitivas que caminham juntas para o sucesso da aprendizagem das crianças.

Sabe-se que o quão mais pequenina for a criança, maior serão as estratégias usadas para conseguir um bom nível de atenção e concentração. Crianças costumam ser muito curiosas e gostam de explorar várias coisas ao mesmo tempo, por isso, exercitar a concentração desde cedo (respeitando o desenvolvimento de cada uma) ajuda no enfrentamento das futuras exigências pedagógicas que elas serão submetidas, como a aprendizagem da leitura e escrita, por exemplo. Veja alguns exemplos de atividades que apoiam o treino da concentração:

5. JOGOS NO COMPUTADOR: Jogos no computador que trabalham com a memória, o pareamento e a seriação auxiliam no exercício da atenção e da concentração dos alunos. O estímulo com as cores, figuras e sons, são desafios positivos para este treino, mas devem ser usados na medida certa dependendo da forma que cada criança aprende. Clique aqui para baixar um jogo em power point, ele só vai funcionar se você tem o power point instalado no seu computador.

6. FAÇA EXERCÍCIOS COMBINADOS: O contorno do Corpo, das mãos, de outros Objetos e também complementar partes que faltam numa figura. Exercícios como estes que envolvem o corpo e a coordenação viso motora de forma ativa no processo de aprendizagem são muito importantes para o treino da atenção e concentração, pois quando não estão bem desenvolvidos podem ser aspectos causadores da desatenção na criança. O movimento de transcrever coisas que estão na lousa para o caderno, no período de alfabetização, é um exemplo recorrente dos problemas enfrentados pelas crianças nesta fase, já que a inabilidade viso motora causa desatenção. 

7. JOGOS DE TABULEIRO COMO O CARA A CARA: Os jogos e as brincadeiras são tão importantes e necessários para as crianças, como o trabalho é para um adulto, por isso, brincar e jogar são primordiais para o desenvolvimento do aprender de modo global. O jogo cara a cara ou advinha quem é?, em especial, é um excelente material para exercitar a concentração. Ele exige que os jogadores observem detalhes dos rostos dos personagens como cor de cabelo, olhos, acessórios, entre outras particularidades. É preciso também, fazer perguntas, e a concentração é primordial para quem deseja vencer, ou seja, fazer as perguntas adequadas e não repetitivas. Experimente este jogo é muito divertido e aprimora a atenção e concentração.


Texto: Luciana Fernandes Duque para a Eduqa.me. Luciana é doutoranda em Educação Especial – Faculdade de Motricidade Humana pela Universidade de Lisboa – Portugal, Mestre em Educação – Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Psicopedagoga Clínica e Pedagoga com vasta experiência Educação Inclusiva. É autora de dois livros, um sobre inclusão escolar e outro sobre relação professor aluno. É responsável pela fanpage Luciana F Duque Psicopedagogia e Inclusão.

 

[/ms-protect-content]